terça-feira, 30 de abril de 2013

Bastidores do primeiro filme erótico do país - Coisas Eróticas - é retratado em curta da MFL 2013 amanhã, 01/05

Centro Cultural Banco do Brasil apresenta programação da terceira semana da 12ª Mostra do Filme Livre

Mostra terá bastidores da produção do primeiro filme erótico brasileiro – Coisas Eróticas- que, na década de 80, ainda em clima de Ditadura Militar, levou mais de 5 milhões de pessoas ao cinema

Começa no dia 01 de maio, quarta-feira, às 15h, a terceira semana da Mostra do Filme Livre.  Patrocinada pelo Banco do Brasil, a MFL está na sua 12ª edição e é a terceira vez que passa por São Paulo. O evento acontece no Centro Cultural do Banco do Brasil, com programação gratuita.

Entre os destaques da semana, está a sessão: Coisas Nossas – que são produções feitas pelos curadores da MFL. Na sessão Coisas Nossas 2, será apresentado o filme Entre mim e eles de Marcelo Ikeda. Produção inédita que conta a história de quatro amigos que se reúnem para fazer um filme. Um filme-ensaio sobre o processo de filmagem de Os Monstros, de Guto Parente, Luiz e Ricardo Pretti, será exibido no dia 02 de maio, quinta-feira, às 15h. 

Sexuada é a sessão mais sensual e sexual da Mostra Livre, que talvez seja a única mostra que dê espaço para produções eróticas por ser uma vitrine exclusiva de filmes alternativos do país. A sessão, que será exibida somente no dia 01/05 às 19h, é composta por um curta e um longa. O curta Heatsick – Ice Cream on concrete, de Dácio Pinheiro, traz uma colagem de filmes eróticos com algumas cenas gravadas pelo diretor. É o clipe de um músico inglês chamado Heatsick. Já o longa A Primeira Vez do Cinema Brasileiro; de Bruno Graziano, promete ser muito interessante, pois narra os bastidores da estréia do primeiro filme pornô a passar no cinema: Coisas Eróticas (1982) assistido por mais de cinco milhões de pessoas em meio a Ditadura Militar e no auge da produção cinematográfica da Boca do Lixo Paulistana.

 A Sessão Fora do Eixo será exibida no dia 02/05 às 19h. Com apresentação do  filme Delírios de um cinemaníaco, de Carlos Eduardo Magalhães e Felipe Leal Barquete. O longa conta a cinebiografia de José de Oliveira. Da infância até a velhice, esse homem viu a morte levar seus familiares e maiores amigos. Mas ele encontrou na paixão pelo cinema forças para encarar as mazelas do caminho, vivendo em um grande delírio cinematográfico.  A sessão será comentada pelo diretor.

Durante a semana, as sessões Panorama Livre, Mostrinha Livre e Longas Livres, continuarão a ser exibidas. O destaque do Panorama Livre - de 01 a 05 de maio, das 15h às 17h30 - são os filmes premiados – Buracos Negros, de Nana Maiolini; O Universo Segundo Edgar A  Poe, de Alexandre Rudáh; Filme Para Poeta Cego, de Gustavo Vinagre; Djinn, de Eliane Lima; Fim de Férias, de Camille Entratice; Crisálida, de Thiago César e A Onda Traz, O Vento Leva, de Gabriel Mascaro- e os inéditos – Visiónica, de Bruna Callegari; Bo-Cage, de Ivan Cardoso; Fragmentum, de Davi Mello; O Planeta Anão, de Bruno Vianna; Canto Nenhum, de Eduardo Escarpinelli; Living Still Life, de Cláudia Cárdenas; Monstrolândia, de Ivan Cardoso e Rua da Casa, de Marcos Mello.

 

No último final de semana de Mostrinha Livre, o destaque vai para o curta Escola de Zumbis, uma produção feita por crianças de 10 a 12 anos em formato de fábula cuja  história se passa numa escola diferente: uma escola sem cor, sem alegria, onde os alunos não conheciam a brincadeira e as possibilidades de ser criança. Todo mundo estava acomodado com essa situação até o dia em que Bia, uma aluna nova, começa a questionar os estranhos costumes daquele lugar. Dia 04 de maio, sábado, às 14h.

 

Curadoria

A MFL 2013 contou com a curadoria de Marcelo Ikeda, Chico Serra, Christian Caselli, Gabriel Sanna, Manu Sobral, Cristiana Miranda e Guilherme Whitaker. O filme mais antigo selecionado é "NY Mirror", de 1999, de Eliane Lima e o mais antigo convidado é "Crioulo Doido", de 1970 de Prates.  

Além dos filmes selecionados, a programação conta ainda com 50 obras convidadas, compondo um panorama do que há de mais ousado na produção audiovisual independente nacional. Criada e organizada por Guilherme Whitaker desde a primeira edição, a MFL exibe longas, médias e curtas, sempre destacando filmes que fujam do lugar comum.

"Desde sempre somos um espaço para filmes que buscam revirar a cada vez mais popular linguagem audiovisual. São filmes que muitas vezes não passam em outros lugares justamente por serem diferentes demais, além de não precisarem ter atores famosos, nem de muita grana para serem feitos. A maioria foi feita por amor, caseiramente", diz Whitaker, que complementa: "Mais uma vez a MFL se apresenta a fim de chamar a atenção para questões de variados cunhos do estético ao comercial, do narrativo ao político... Como o escoamento via festivais não é suficiente para a exibição desse crescente e tão variado conteúdo, a internet tem sido o caminho inevitável para facilitar a comunicação de todos e permitir a conquista de lugares físicos que proporcionem, tanto em quantidade quanto em qualidade, espaços para o encontro e a celebração da vida audiovisual. Que essa rede não seja paliativa, mas durável e regular."

 

Sobre a MFL – A edição 2013 recebeu 742 inscrições sendo que apenas 14% tinham apoio estatal direto. O filme inscrito mais antigo é de 1988, além de 18 filmes de 2009, 43 de 2010, 150 de 2011 e 497 de 2012. Em 11 edições o público foi de 47 mil pessoas que assistiram a mais de 2.800 filmes entre curtas e longas de todos os formatos e gêneros.

 


 

SERVIÇO

12° Mostra do Filme Livre - MFL 2013

17 de abril a 12 de maio de 2013

 Patrocínio: Banco do Brasil

Realização: Centro Cultural Banco do Brasil 

Coord. Geral e Produção Executiva: Guilherme Whitaker

 CCBB - Cinema (70 lugares)

Entrada franca – mediante retirada de senha a partir de uma hora antes da sessão.

Classificação indicativa: de acordo com a sessão.

Centro Cultural Banco do Brasil

Rua Álvares Penteado, 112. Centro

Próximo às estações Sé e São Bento do Metrô

(11) 3113 – 3651 / (11) 3113 – 3652

www.bb.com.br/cultura

www.twitter.com/ccbb_sp

www.facebook.com/ccbbsp 

Acessos: Estações Sé e São Bento do Metrô. Praças do Patriarca e da Sé.

Acesso e facilidades para pessoas com deficiência física// Ar-condicionado // 

Estacionamento: Estapar Estacionamento – Rua da Consolação, 228 (Edifício Zarvos) – (R$ 15,00 pelo período de cinco horas. Necessário carimbar tíquete na bilheteria do CCBB - Van faz o traslado gratuito no trajeto estacionamento – CCBB – estacionamento).

 


DITADURA MILITAR É FOCO DE ENCONTROS EM BIBLIOTECAS

 
 

 DITADURA MILITAR É FOCO DE ENCONTROS EM BIBLIOTECAS

Os debates e encontros acontecem entre os dias 3 e 25 de maio em diversas bibliotecas públicas e pontos de leitura

Quarenta e nove anos após o golpe militar que depôs João Goulart, muito já se discutiu sobre os 21 anos da ditadura brasileira. A sociedade carrega até hoje marcas desse que foi o regime militar mais longo da América Latina. Para desvendar os seus pormenores, o Governo Federal finalmente criou, em 2012, a Comissão Nacional da Verdade, que completa, em maio, um ano de investigações e avanços simbólicos. Um deles foi a entrega da certidão de óbito corrigida de Vladimir Herzog, jornalista torturado e assassinado pelo regime.

Aproveitando que também se completa um ano da Lei de Acesso à Informação, e tendo em vista a importância de aprofundar as discussões sobre a ditadura, diversas bibliotecas e pontos de leitura promovem a programação especial "A Luta É Contínua", com mesas-redondas e encontros com militantes e ex-prisioneiros políticos.

Em meio à extensa programação, a Biblioteca Pública Viriato Corrêa realiza dois debates. No dia 18, às 18h, acontece a mesa-redonda "Discutindo o Golpe de 1964: o que foi isso?", com a presença da advogada Rosa Maria Cardoso da Cunha, membro da Comissão Nacional daVerdade, e do jornalista Renato Tapajós, ex-preso político. Ambos fazem uma análise de conjuntura sobre a deposição de Goulart. No dia 25, às 18h, o presidente da Comissão de Anistia e secretário nacional de Justiça do Ministério da Justiça, Paulo Abrão, encontra-se com o presidente do Núcleo de Memória Política de São Paulo, Alípio Freire. Em "Pós-ditadura: qual democracia?", os convidados expõem o que ainda restou do período, trazendo uma abordagem mais atual ao tema.

Além de participar desse debate, Freire é um dos diversos resistentes à ditadura que contarão suas histórias de luta em meio ao conturbado período de repressão. Ao todo, são 28 convidados participantes dos encontros que acontecem durante todo o mês em 59 unidades.

Completa a programação uma mostra cinematográfica gratuita em cartaz na Viriato Corrêa e no Centro de Formação Cultural Cidade Tiradentes. Entre os filmes exibidos está o longa dirigido pelo palestrante Alípio Freire, "1964 - Um Golpe Contra o Brasil", de 2012.

Serviço:Diversas bibliotecas e pontos de leitura. De 3 a 25/5. Grátis.

Veja a programação completa:

DISCUTINDO O GOLPE DE 1964: O QUE FOI ISSO?

Com Rosa Maria Cardoso da Cunha (advogada e membro da Comissão Nacional da Verdade) e Renato Tapajós (jornalista, cineasta e ex-preso político). Mediação: Maria Zenita Monteiro (socióloga e coordenadora do Sistema Municipal de Bibliotecas).

|BP Viriato Corrêa. Rua Sena Madureira, 298, Vila Mariana, Zona Sul. Tel. 5573-4017 e 5574-0389. Dia 18, 18h

PÓS-DITADURA: QUAL DEMOCRACIA?

Com Paulo Abrão (presidente da Comissão de Anistia e secretário nacional de Justiça do Ministério da Justiça) e Alípio Freire (jornalista, poeta, ex-preso político e presidente do Núcleo de Memória Política de São Paulo). Mediação: Valdirene Gomes (socióloga e assessora da Coordenadoria do Sistema Municipal de Bibliotecas).

|BP Viriato Corrêa. Rua Sena Madureira, 298, Vila Mariana, Zona Sul. Tel. 5573-4017 e 5574-0389. Dia 25, 18h

Encontros com os resistentes

Encontros conduzidos por ex-presos políticos e militantes do período da ditadura. Os convidados relembram suas experiências dentro do contexto político da época e discutem o que esses fatos têm a ver com o Brasil de hoje.

ALÍPIO FREIRE

Jornalista, poeta e presidente do Núcleode Preservação da Memória Política, Freire nasceu na cidade de Salvador (Bahia). Foi militante da Ala Vermelha entre 1967 e 1983 e esteve preso de 1969 a 1974. Além da Operação Bandeirante e do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), esteve nos presídios Tiradentes, na Casa de Detenção do Carandiru e na Penitenciária do Estado de São Paulo.

|BP Paulo Duarte. Rua Arsênio Tavollieri, 45, Jabaquara, Zona Sul. Tel. 5011-8819 e 5011-7445. Dia 3, 16h
| Centro de Formação Cultural de Cidade Tiradentes – Biblioteca Luiz Gama.R. Inácio Monteiro, altura do nº 6.900, esq. com Rua Alexandre Davidenko, Cidade Tiradentes. Zona Leste. Dia 8, 19h
| BP Pedro da Silva Nova. Av. Engenheiro Caetano Álvarez, 5.903, Mandaqui, Zona Norte. Tel. 2973-7293. Dia 13, 15h
| BP Brito Broca. Av. Mutinga, 1.425, Pirituba, Zona Norte. Tel. 3904-1444 e 3904-2476. Dia 14, 14h
| Ponto de Leitura Jardim Lapenna. Rua Serra da Juruoca, s/nº (Galpão de Cultura e Cidadania), Jardim Lapenna. Tel. 2297-3532. Dia 22, 14h

ANÍZIO BATISTA

Torneiro e filósofo, Batista encabeçou a chapa de 1978 da Oposição Metalúrgica. Membro da Pastoral Operária, foi também deputado estadual entre 1983 e 1986.

|BP Castro Alves. Rua Abrahão Mussa, s/nº, Jardim Patente, Zona Sul. Tel. 2946-4562. Dia 10, 14h
| BP Affonso Taunay. Rua Taquari, 549, Parque da Mooca, Mooca, Zona Leste. Tel. 2292-5126. Dia 15, 14h
| BP Roberto Santos. Rua Cisplatina, 505, Ipiranga, Zona Sul. Tel. 2273-2390. Dia 21, 18h

ANTONIO BARROS (TONINHO 3/8) E JOSÉ BATISTA DE MIRANDA (BATISTINHA)

Metalúrgico, Toninho foi preso na greve de Osasco em 1968. Anistiado político, é membro da diretoria dos Metalúrgicos de Osasco e do Fórum de ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo. Batistinha é militar anistiado e foi membro da chapa da oposição metalúrgica de Osasco em 1978. É membro do Fórum de ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo.

| BP Thales Castanho de Andrade. Rua Doutor Artur Fajardo, 447, Freguesia do Ó, Zona Norte. Tel. 3975-7439. Dia 13, 10h

CARMEM E STANISLAW SZERMETA

Licenciada em matemática, Carmem é metalúrgica, membro da Comissão de Fábrica da Sharp e da Cipa da Wapsa. Szermeta é eletricista e foi membro da Oposição Sindical Metalúrgica-SP. Foi preso e anistiado político e é presidente da Associação de Anistiados Políticos (Anap).

|BP Marcos Rey. Av. Anacê, 92, Jardim Umarizal, Zona Sul. Tel. 5845-2572 e 5843-1179. Dia 10, 14h

CARMEN SYLVIA MORAES

Ex-presa política, Carmen é professora da Faculdade de Educação da USP e diretora do Centro de Memória da FE/USP.

|BP Álvaro Guerra. Rua Pedroso de Moraes, 1.919, Pinheiros, Zona Oeste. Tel. 3031-7784. Dia 7, 14h30

CÉLIA ROSSI

Membro da Juventude Operária Católica, da Pastoral Operária e do Movimento de Saúde da Zona Leste, Célia foi coordenadora do In-Formar Cultura e Educação Popular nos anos 70 e 80.

|BP Paulo Setúbal. Av. Renata, 163, Vila Formosa, Zona Leste. Tel. 2211-1508 e 2211-1507. Dia 14, 15h

CÍCERO DE CRATO

Metalúrgico, educador popular e cantor, Crato é membro da Associação dos Trabalhadores do Tatuapé e participa do Grupo Arribação, que gravou o CD "Santo Dias".

|BP Sérgio Buarque de Holanda. Rua Augusto Carlos Baumman, 564, Itaquera, Zona Leste. Tel. 2205-7406. Dia 14, 14h

CLOVES DE CASTRO

Metalúrgico e preso político anistiado, Castro foi militante da Oposição Sindical Metalúrgica-SP e membro do Comitê Brasileiro de Anistia.

|BP Amadeu Amaral. Rua José Clóvis Castro, s/nº, Jardim da Saúde, Zona Sul. Tel. 5061-3320. Dia 9, 14h

DARCY ANDOZIA

Pedagoga, Darcy foi membro do Movimento da Igreja Católica dos Dominicanos da Ação Popular. Em 1974, foi presa, com toda sua família, pelo Dops de São Paulo.

|Ponto de Leitura Tide Setúbal. Rua Mário Dallari, 170. Jd. São Vicente. Tel. 2297-5969. Dia 7, 14h
| Centro Cultural da Penha – BP José Paulo Paes. Largo do Rosário, 20, Penha, Zona Leste | tel. 2295-0401. Dia 14, 10h30

| BP Jaime Cortez - Centro Cultural da Juventude, Av. Deputado Emílio Carlos, 3.641. Vila Nova Cachoeirinha. | tel. 3984-466. Dia 14, 19h30

|Ponto de Leitura Graciliano Ramos. Calçadão Cultural do Grajaú. Rua Prof. Oscar Barreto Filho, 252, Parque América, Grajaú. Tel. 3496-9638. Dia 16, 14h
| BP Hans Christian Andersen. Av. Celso Garcia, 4.142, Tatuapé, Zona Leste. Tel. 2295-3447. Dia 23, 14h

ELZA LOBO

Ex-militante da Ação Popular (AP), Elza trabalhava na Secretaria da Fazenda quando foi presa. Exerceu a função de secretária executiva do Conselho Estadual de Saúde de São Paulo e iniciou, na década de 2000, a implantação do Sistema de Ouvidoria na Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, exercendo, até hoje, a função de ouvidora.

|BP José Mauro de Vasconcelos. Praça Comandante Eduardo de Oliveira, s/nº, Parque Edu Chaves, Zona Norte. Tel. 2242-8196 e 2242-1072. Dia 8, 10h
| BP Viriato Corrêa. Rua Sena Madureira, 298, Vila Mariana, Zona Sul. Tel. 5573-4017 e 5574-0389. Dia 22, 15h

GERALDO FERREIRA

Metalúrgico, físico formado pela PUC e professor universitário, Ferreira é membro da Comissão de Fábrica da Asama e, em 1984 e 1987, foi membro da chapa de oposição metalúrgica.

|BP Ricardo Ramos. Praça Centenário de Vila Prudente, 25, Vila Prudente, Zona Leste. Tel. 2273-4860. Dia 9, 14h

IARA PRADO

Formada em história com pós-graduação em história social pela USP, Iara foi secretária da Educação Fundamental do MEC. Foi militante da organização política VAR Palmares, composta, na sua maioria, por militantes jovens que lutavam contra a ditadura. Em 1970, foi presa em Porto Alegre (Rio Grande do Sul) e transferida para a Operação Bandeirantes. Posteriormente, foi conduzida para a ala feminina do Presídio Tiradentes.

|BP Alceu Amoroso Lima. Av. Henrique Schaumann, 777, Pinheiros, Zona Oeste. Tel. 3082-5023 e 3063-3064.Dia 8, 15h
| BP Camila Cerqueira César. Rua Waldemar Sanches, 41, Butantã, Zona Oeste. Tel. 3731-5210. Dia 15, 14h30
| BP Clarice Lispector. Rua Jaricunas, 458, Bairro Siciliano, Zona Oeste. Tel. 3672-1423. Dia 22, 14h30

JORGE LUIZ DOS SANTOS

Metalúrgico, eletricista, membro das chapas de oposição metalúrgica em 1981 e 1984, Jorge dos Santos foi dirigente da CUT Regional Grande SP nos anos 80 e anistiado político.

|BP Malba Tahan. Rua Brás Pires Meira, 100, Veleiros, Zona Sul | tel. 5523-4556. Dia 14, 14h
| BP Helena Silveira. Rua João Batista Reimão, 146, Campo Limpo, Zona Sul. Tel. 5841-1259. Dia 23, 14h

Maria Amélia Teles (Amelinha).

Feminista, defensora dos direitos das Mulheres. Foi presa política, fundou um programa de proteção à mulher e integra a Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos. Hoje integra aa Comissão Estadual da Verdade de SP. Se dedica há mais de 30 anos à luta pela apuração das atrocidades da ditadura e pela responsabilização dos agentes do Estado pelos crimes cometidos.

| Centro Cultural São Paulo. R. Vergueiro, 1000 - Liberdade,  3397-4002 . Dia 15, 14h30

MARIA AUXILIADORA ARANTES (DODORA)

Mestre em psicologia clínica e doutora em ciências sociais pela PUC/SP, Dodora é integrante da Comissão Nacional de Direitos Humanos do Conselho Federal de Psicologia. Foi coordenadora geral de Combate à Tortura na Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (2009-2010), além de ter fundado e dirigido o Comitê Brasileiro pela Anistia de São Paulo - CBA/SP (1978-1982).

|BP Raul Bopp. Rua Muniz de Sousa, 1.155, Aclimação, Zona Sul. Tel. 3208-1895. Dia 14, 10h30
| BP Lenyra Fraccaroli. Praça Haroldo Daltro, 451, Vila Manchester, Zona Leste. Tel. 2295-2295. Dia 16, 11h
| BP Jamil Almansur Haddad. Rua Andes, 491-A, Guaianases, Zona Leste. Tel. 2557-0067. Dia 21, 10h
| BP Afonso Schmidt. Av. Elísio Teixeira Leite, 1.470, Cruz das Almas, Zona Norte. Tel. 3975-2305. Dia 28, 10h

MAURICE POLITI

Administrador de empresas, diretor do Núcleo de Preservação da Memória Política e do Fórum de ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo, Politi trabalhou por dois anos, entre 2010 e 2011, na Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República, coordenando o projeto "Direito à Memória e à Verdade". Foi militante da organização ALN (Ação Libertadora Nacional) e, nessa condição, foi preso político entre os anos de 1970 e 1974.

|BP Prof. Arnaldo Magalhães Giácomo. Rua Restinga, 136, Tatuapé, Zona Leste. Tel. 2295-0785. Dia 8, 14h
| BP Sylvia Orthof. Av. Tucuruvi, 808, Tucuruvi, Zona Norte | tel. 2981-6263 e 2981-6264. Dia 13, 14h30
| BP Raimundo de Menezes. Av. Nordestino, 780, São Miguel Paulista, Zona Leste. Tel. 2297-4053. Dia 15, 15h
| BP Nuto Sant'Anna. Praça Tenório Aguiar, 32, Santana, Zona Norte. Tel. 2973-0072. Dia 17, 15h
| BP Belmonte.
Rua Paulo Eiró, 525, Santo Amaro, Zona Sul. Tel. 5687-0408 e 5691-0433. Dia 21, 19h
| BP Chácara do Castelo. Rua Brás Lourenço, 333, Jardim da Glória, Zona Sul. Tel. 5573-4929. Dia 22, 14h

MOISÉS BASÍLIO LEAL

Técnico mecânico, formado em Pedagogia pela USP e em Ciências Sociaispela PUC, Leal foi militante da Pastoral da Juventude e da Oposição Sindical Metalúrgica-SP nos anos 70. Atualmente, é diretor de escola da Rede Municipal de Ensino.

| BP Gilberto Freyre. Rua José Joaquim, 290, Sapopemba, Zona Leste. Tel. 2143-1811. Dia 17, 9h30
| BP Vicente Paulo Guimarães. Rua Jaguar, 225, Vila Curuçá, Zona Leste. Tel. 2035-5322. Dia 23, 14h

RAIMUNDO MOREIRA (RAIMUNDINHO)

Preso político anistiado e metalúrgico da Oposição Sindical Metalúrgica-SP, Raimundinho é membro do Fórum de ex-Presos e Perseguidos Políticos do Estado de São Paulo. Foi testemunha do assassinato do preso político Luiz Hirata nas dependências do Dops.

| BP Álvares de Azevedo. Praça Joaquim José da Nova, s/nº, Vila Maria, Zona Norte. Tel. 2954-3118 e 2954-2813. Dia 22, 14h

RAPHAEL MARTINELLI

Ferroviário, preso e exilado político, Martinelli é militante desde os 16 anos, anistiado político, presidente do Fórum Permanente dos ex-Presos e Perseguidos Políticos de São Paulo e advogado de ex-prisioneiros políticos.

|BP Mário Schenberg. Rua Catão, 611, Lapa, Zona Oeste. Tel. 3672-0456. Dia 21, 15h

REINALDO MORANO FILHO

Nascido em Taquaritinga (São Paulo), Morano Filho é bacharel em direito, médico especialista em saúde pública, psiquiatra e psicanalista. Em 1969, foi presidente do Centro Acadêmico da Faculdade de Medicina da USP e aderiu à Ação Libertadora Nacional (ALN). Vítima da repressão, ficou preso durante seis anos e meio.

| BP Rubens Borba de Moraes. Rua Sampei Sato, 440, Ermelino Matarazzo, Zona Leste. Tel. 2943-5255. Dia 7, 10h

| BP Érico Veríssimo. Rua Diógenes Dourado, 101, Cohab Parada de Taipas, Zona Norte. Tel. 3972-0450. Dia 10, 14h

| BP Milton Santos. Av. Aricanduva, 5.777, Jardim Aricanduva, Zona Leste. Tel. 2726-4882. Dia 14, 10h

| BP Cassiano Ricardo. Av. Celso Garcia, 4.200, Tatuapé, Zona Leste. Tel. 2092-4570. Dia 17, 15h

| BP Adelpha Figueiredo. Praça Ilo Ottani, 146, Canindé, Zona Leste. Tel. 2694-0013 e 2292-3439. Dia 21, 10h

| Biblioteca Infantojuvenil Monteiro Lobato. Rua General Jardim, 485, Vila Buarque, Centro. Tel. 3256-4122. Dia 24, 14h

RITA SIPAHI

Advogada, servidora municipal aposentada e conselheira da Comissão da Anistia, Rita foi dirigente da UNE, militante da Juventude Universitária Católica e participou da estruturação da Ação Popular no Ceará. Durante a ditadura, emigrou para São Paulo e Rio de Janeiro, foi sequestrada e presa pelas forças da repressão. Foi condenada pela Justiça Militar de São Paulo. Após a ditadura, continuou atuando junto a movimentos sociais.

| Biblioteca Mário de Andrade – sala de convivência. Rua da Consolação, 94, Consolação, Centro. Tel. 3256-5270. Dia 6, 16h30
| BP Anne Frank. Rua Cojuba, 45, Itaim Bibi, Zona Oeste. Tel. 3078-6352. Dia 13, 14h
| BP Menotti Del Picchia. Rua São Romualdo, 382, Bairro do Limão, Zona Norte. Tel. 3966-4814 e 3956-5070.Dia 20, 10h

SALVADOR PIRES

Metalúrgico, torneiro mecânico e anistiado político, Pires foi presidente da Frente Nacional dos Trabalhadores e membro do movimento Justiça e Não-Violência durante a ditadura.

|BP Vinicius de Moraes. Av. Jardim Tamoio, 1.119, Itaquera (Cohab José Bonifácio), Zona Leste. Tel. 2521- 6914. Dia 10, 10h
| BP Vicente de Carvalho. Rua Jaguar, 225, Vila Curuçá, Zona Leste. Tel. 2035-5322. Dia 10, 14h30
| BP Narbal Fontes. Av. Conselheiro Moreira de Barros, 170, Santana, Zona Norte. Tel. 2973-4461 e 2975-0511. Dia 22, 14h30

SEBASTIÃO NETO

Mecânico de precisão, Sebastião Neto foi preso político e membro da Oposição Sindical Metalúrgica de São Paulo e da Executiva Nacional da CUT. Integra o Projeto Memória da Oposição Sindical Metalúrgica - SP.

| BP Paulo Sérgio Duarte Milliet. Praça Ituzaingó, s/nº, Tatuapé, Zona Leste. Tel. 2671-4974. Dia 21, 15h

SEBASTIÃO PINTO

Mecânico de manutenção, Pinto é membro da Frente Nacional dos Trabalhadores e da União Nacional dos Servidores Públicos.

| BP Cora Coralina. Rua Otelo Augusto Ribeiro, 113, Guaianases, Zona Leste. Tel. 2557-8004. Dia 22, 14h30

SIDNEI FERNANDES CRUZ

Presidente do Sindicato dos Queixadas (Cimento, Cal e Gesso) de Perus, Cruz foi o primeiro coordenador dos trabalhadores da construção civil da Central Única dos Trabalhadores de São Paulo. Pertence à direção estadual e nacional da CUT.

| BP Padre José de Anchieta. Rua Antônio Maia, 651, Perus, Zona Norte. Tel. 3917-0751. Dia 16, 14h

WALDEMAR ROSSI

Ex-preso político, Rossi encabeçou as chapas de oposição metalúrgica nos anos de 1967, 1972 e 1981. Fez parte da coordenação da Pastoral Operária e membro da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de SP. Foi o orador, em nome dos trabalhadores brasileiros, na recepção ao Papa João Paulo II no comício no Estádio do Morumbi, em 1980, quando denunciou as torturas praticadas durante a ditadura.

| BP Jovina Rocha Álvares Pessoa. Av. Padre Francisco de Toledo, 331, Cohab Manoel da Nóbrega, Itaquera, Zona Leste. Tel. 2741-7371 e 2741-0371. Dia 9, 14h
| BP Aureliano Leite. Rua Otto Schubart, 196, Parque São Lucas, Zona Leste. Tel. 2211-7716. Dia 16, 14h30

 

 



 

segunda-feira, 29 de abril de 2013

Prêmio Milton Santos/Câmara Municipal/ Inscrições

 
 

Câmara Municipal prorroga inscrições do Prêmio Milton Santos

 

Participação pode ser confirmada até o dia 10/5; concurso destaca projetos sociais destinados ao desenvolvimento urbano

 

Estão prorrogadas até o dia 10/5 as inscrições para o Prêmio Milton Santos. Instituída desde 2002 pela Câmara Municipal de São Paulo, a premiação visa reconhecer publicamente projetos e iniciativas sociais voltadas ao desenvolvimento urbano.

 

A participação é aberta a ONGs, associações, entidades, empresas e pessoas que promovam alguma ação desse tipo. Basta acessar o link Prêmios Institucionais no site da Câmara Municipal (www.camara.sp.gov.br), preencher o formulário e enviá-lo ao CCI.1 – Equipe de Eventos (eventos@camara.sp.gov.br), acompanhado dos demais arquivos solicitados. 

 

As inscrições também são aceitas pelos Correios. Nesse caso, os materiais devem ser enviados diretamente ao CCI.1 (Viaduto Jacareí, 100, 3º andar, sala 321, CEP 01319-900 – São Paulo/SP). Mais informações podem ser obtidas nos telefones 3396-4667/ 3396-4932 ou pelo e-mail do CCI.1.

 

O prêmio presta uma homenagem ao trabalho desenvolvido pelo geógrafo Milton Santos, que trouxe um novo olhar humanista aos estudos de crescimento do território urbano a partir de aspectos relacionados ao então chamado Terceiro Mundo.

 

Assessoria de Comunicação e Imprensa

Presidência da Câmara Municipal de São Paulo

Telefone: 3396-4900/3949/4165/4027

Exposição sobre os 50 anos da Mônica acontece no MuBE

 
 

Exposição sobre os 50 anos da Mônica acontece no MuBE

Museu receberá mostra que exibe toda a história da personagem criada por Mauricio de Sousa há 50 anos

No dia 5 de maio a exposição Mônica 50 Anos será aberta ao público no MuBE – Museu Brasileiro da Escultura. A mostra retrata ludicamente, em mais de 680m², o cinquentenário da personagem Mônica, criada pelo desenhista Mauricio de Sousa há exatos 50 anos. A exposição ficará em cartaz até o dia 02 de junho, de terça a domingo, das 10h às 19h, com entrada gratuita. 

Por meio de objetos históricos, publicações editoriais, desenhos animados e instalações, o público visitante mergulhará década a década na história da baixinha dentuça mais famosa dos quadrinhos nacionais. Desde 1963, ano de sua primeira aparição, Mônica conquistou o Brasil e foi destaque internacional no mundo dos quadrinhos.

Da década de 60 à atualidade, farão parte da mostra o original da primeira tira da Mônica, o terceiro coelho de pelúcia pertencente à Mônica Sousa – filha do Mauricio de Sousa e musa inspiradora da personagem; as diversas bonecas da Mônica que marcaram época; os filmes de grande sucesso da década de 80; os games da década de 90 e muitas outras surpresas. Uma exposição lúdica com interações e diversão para crianças e adultos!

"É emocionante ver, em retrospectiva, a presença da Mônica em cada década, desde a sua criação. Fica notória a importância da personagem para a cultura de cada período e é surpreendente ver como ela sempre foi amada pelos brasileiros, desde os anos 60 até hoje", aponta Mauricio de Sousa.

A mostra tem curadoria de Jacqueline Mouradian e foi desenvolvida pela equipe da Mauricio de Sousa Produções. A exposição fica em cartaz até o dia 02 de junho e em seguida será remodelada para outros espaços.

 

Serviço

Mônica 50 Anos

Local: MuBE – Museu Brasileiro da Escultura - Av. Europa, 218 – São Paulo – SP

Período: 05 de maio a 02 de junho de 2013

Horário de funcionamento: terça a domingo das 10h às 19h

Entrada:gratuita

Visitas monitoradas: agendamento pelo telefone (11) 2594-2601

Acessibilidade: Sim, para portadores de necessidades especiais de mobilidade

 

Sobre Mauricio de Sousa Produções

A MSP é a empresa responsável pela produção de histórias em quadrinhos, desenhos animados, criação e desenvolvimento de personagens, licenciamento de produtos e todos os projetos relacionados com as figuras da Turma da Mônica e demais personagens de Mauricio de Sousa. Possui o quarto maior estúdio do setor no mundo e, em sua trajetória, que já dura mais de 50 anos, conquistou aproximadamente 86% do mercado brasileiro na área de quadrinhos infanto-juvenis, nas bancas. Nas livrarias, seus números também são significativos, com uma média de um milhão de exemplares vendidos ao ano. No licenciamento, é a empresa número um do Brasil e trabalha com cerca de 100 empresas nacionais e internacionais, que utilizam seus personagens em aproximadamente 2.500 produtos. 

Sobre Mauricio de Sousa

Mauricio de Sousa iniciou sua carreira como ilustrador na região de Mogi das Cruzes, próximo de Santa Isabel, onde nasceu. Aos 19 anos, mudou-se para São Paulo e, durante cinco anos, trabalhou no Jornal Folha da Manhã (atual Folha de São Paulo) escrevendo reportagens policiais. Em 1959 criou seu primeiro personagem, o cãozinho Bidu. A partir daí vieram Cebolinha, Cascão, Mônica, e tantos outros. Em 1970 lançou a revista Mônica, com tiragem de 200 mil exemplares. Depois de passar pela Editora Abril e Editora Globo, assinou contrato com a multinacional italiana Panini. O autor já alcançou o extraordinário número de um bilhão de revistas publicadas. Suas criações chegam a cerca de 30 países.