terça-feira, 21 de janeiro de 2014

MBA em Gestão Ambiental e Sustentabilidade da UFSCar recebe inscrições para processo seletivo

 
Curso tem o objetivo de formar profissionais capacitados para o atendimento à responsabilidade socioambiental exigida de empresas e instituições

Até o dia 2 de fevereiro, o curso de especialização Master Business Administration (MBA) em Gestão Ambiental e Sustentabilidade do Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) está com inscrições abertas no processo seletivo para a formação de nova turma. As disciplinas contidas no curso incluem "Gestão Estratégica para o Desenvolvimento Sustentável", "Saneamento Ambiental", "Manejo Integrado de Recursos Hídricos" e "Aproveitamento de resíduos e subprodutos", dentre outras.
O coordenador do curso e docente do Departamento de Ciências Ambientais do Campus Sorocaba, Júlio César Pereira, explica que o principal propósito do MBA é desenvolver habilidades e ampliar os conhecimentos acerca dos processos de gestão relacionados ao meio ambiente. "O objetivo é reciclar e aprofundar conhecimentos em gestão ambiental com foco na sustentabilidade, a fim de subsidiar a tomada de decisões por parte dos gestores de organizações públicas e privadas, e oferecer ao participante do curso a oportunidade de desenvolver um senso crítico a respeito das questões ambientais para atuar estrategicamente com vistas à sustentabilidade", esclarece. O docente complementa ainda que a grande demanda por produtos e serviços que utilizam recursos naturais exige uma responsabilidade socioambiental cada vez maior das empresas e instituições que os ofertam. "É essencial que os profissionais que atuem no mercado estejam bem preparados para atender a esta necessidade de gestão sustentável", analisa Júlio Pereira.
O MBA tem duração de 24 meses, com as aulas presenciais ocorrendo em sábados alternados no prédio ATLab do Campus Sorocaba. O processo seletivo acontece através da análise de currículo do candidato, entrevista e ordem de inscrição. A inscrição custa R$ 175 e a mensalidade do curso tem o valor de R$ 580. Podem se inscrever estudantes graduados em qualquer área. O MBA em Gestão Ambiental e Sustentabilidade da UFSCar tem previsão de início no dia 8 de março de 2014.
O formulário de inscrição, o calendário e todas as disciplinas oferecidas estão disponíveis no site do MBA, em http://mbaufscar.org/mbagas/home.php. Mais informações podem ser obtidas através do email mbagas2013@gmail.com. O Campus Sorocaba da UFSCar fica no Km 110 da rodovia João Leme dos Santos (SP-264), estrada que liga Sorocaba à Salto de Pirapora, no bairro Itinga.

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Novo programa infantil encanta o público em aventuras pelas águas amazônicas

 
 

Um grupo de filhotes muito especial da fauna brasileira: o pirarucu (Bitelo), o peixe-boi (Maná), a sucuri (Ceci) a piranha (Cotinha), o jacaré (Jaca Zé) e a perereca (Quinha). Eles são as personagens da nova série para crianças em idade pré-escolar que a TV Brasil estreia na segunda, dia 20 de janeiro. IGARAPÉ MÁGICO, irá ao ar diariamente na faixa HORA DA CRIANÇA (no ar de segunda à sexta-feira, das 8h30 às 11h30 e das 12h30 às 15h). Os 26 programas de IGARAPÉ MÁGICO foram criados para divertir e entreter os pequenos e, ao mesmo tempo, transmitir noções de amizade e cidadania. Os enredos provocam o interesse das crianças para temas relacionados à sustentabilidade, como lixo, poluição, importância da água, a preservação das espécies em extinção, entre outros.


Graciosos bonecos representam animais da Amazônia e vivem inúmeras aventuras em lindos cenários virtuais nas águas tranquilas do igarapé. Além da turminha de filhotes, IGARAPÉ MÁGICO conta com a Iara, a mãe d'água personagem da mitologia indígena amazônica, e uma garça real que participa como narrador. Iara é a única personagem humana da série e é quem traz o elemento mágico. Ela é o adulto, que orienta, dá apoio, conforta e coloca limites nas confusões geradas pelas personagens. "Quando concebemos a série, a ideia era fazer algo que despertasse nas crianças o orgulho de ter uma região como a Amazônia no país e valorizar nossas fauna e flora, construindo no imaginário da criança algo que esteja além do tigre, elefante e leão", conta Rogério Brandão, diretor de Produção da TV Brasil, criador da série em parceria com Bia Rosenberg.


"Nosso objetivo é tratar de diversos assuntos, como a importância da água, a necessidade de preservar, sem deixar de abordar questões pertinentes ao desenvolvimento emocional e intelectual das crianças em idade pré-escolar", explica Bia, que é diretora geral da série. As histórias se passam num igarapé (um braço de rio, riacho). O meio líquido exigiu muita tecnologia para levar para as telas a textura, o movimento e efeitos luminosos da água. Para dar conta da riqueza do ambiente amazônico, Ricardo Whately, diretor de IGARAPÉ MÁGICO, sugeriu um cenário virtual e, junto com sua equipe na Dogs Can Fly e colaboradores da pós-produtora Blank_, imprimiu uma linguagem mais moderna e sensorial ao programa, capaz de integrar tecnologia 3D, 2D, elementos físicos, bonecos e animação.


O ecossistema amazônico é extremamente rico e vem sendo pouco divulgado pelos meios de comunicação dirigidos a crianças. Ao introduzir para o público pré-escolar o universo das águas dos igarapés amazônicos, com seus elementos do mundo animal e vegetal, o programa apresenta um local praticamente desconhecido até para os adultos brasileiros. IGARAPÉ MÁGICO traz para a tela da TV a exuberância, riqueza, beleza e contradições do ecossistema da região Norte do Brasil. Na série, há dois tipos de informação. A primeira é a mais objetiva, com conhecimentos sobre a Amazônia, como vegetação, animais, clima, ciclo da água, linguajar, costumes, sons, lendas, fenômenos astronômicos, estilos musicais e práticas de sustentabilidade. O segundo tipo de conteúdo se refere a sentimentos, comportamentos e a relação de amizade entre os personagens.


Museu Catavento é o mais visitado em 2013

 
Museu recebe 520 mil visitantes no ano e se firma como o mais visitado do estado de São Paulo, dentre os museus da Secretaria de Estado da Cultura

 

Próximo da marca de dois milhões de visitantes, em seus quatro anos de existência, o Catavento Cultural e Educacional, museu de Ciência e Tecnologia da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, firma-se como a atração preferida de crianças, adolescentes e adultos, na capital paulista.

 

No ano de 2013 passaram pelas dependências do museu 520 mil pessoas interessadas em conhecer o espaço interativo de artes, ciência e conhecimento, instalado em um dos edifícios históricos mais importantes da cidade − o Palácio das Indústrias.

 

Com cerca de oito mil metros quadrados de área e mais de 250 instalações, o Museu Catavento é dividido em quatro seções – Universo, Vida, Engenho e Sociedade. Ali, o visitante encontra instalações que podem materializar desde ideias simples, como reproduzir o chão da lua com a pisada do astronauta Neil Armstrong ou mostrar como funciona a eletricidade estática que faz os cabelos ficarem, literalmente, em pé, como outras bem mais complexas, como as atividades desenvolvidas na seção dedicada à nanotecnologia, por exemplo.

 

Do átomo ao maior planeta do Sistema Solar; do menor inseto aos maiores animais da Terra; das leis da física às transformações químicas; do ecossistema à questão da preservação ambiental, tudo está apresentado de forma lúdica para fazer da visita uma prazerosa viagem ao mundo do conhecimento e da cultura.

 

Serviço

Catavento Cultural e Educacional

Onde: Palácio das Indústrias - Praça Cívica Ulisses Guimarães, s/no (Av. Mercúrio), Parque Dom Pedro II, Centro – São Paulo/SP

Telefone: 11 3315-0051 – atendimento das 11h às 17h

Quando: terça a domingo, das 9h às 17h (bilheteria fecha às 16h)

Quanto: R$ 6 e meia-entrada para estudantes, idosos e portadores de deficiência. Entrada gratuita aos sábados para todo o público

Como chegar: www.cataventocultural.org.br/mapas.asp

Acesso por transporte público: estação de metrô Pedro II e terminal de ônibus do Parque Dom Pedro II

Estacionamento: R$ 10 até 4 horas (para visitantes do museu). Adicional por hora: R$ 2,00 (capacidade para 200 carros). Ônibus e vans: R$20,00

Infraestrutura: acesso para pessoas com deficiência locomotora.

 

sábado, 11 de janeiro de 2014

Estreia: Teatro de Bonecas se apresenta na Sala Paschoal


ESPETÁCULO TEATRO DE BONECAS ABRE TEMPORADA DE TEATRO ADULTO DA SALA PASCHOAL CARLOS MAGNO, DO TEATRO SÉRGIO CARDOSO, COM ESTREIA EM 13/1

 

Com direção de Adriano Cypriano, montagem fica em cartaz até

4 de fevereiro, com sessões às segundas e terças-feiras, às 20h

 

 

A Sala Paschoal Carlos Magno, do Teatro Sérgio Cardoso, recebe a partir de 13 de janeiro o espetáculo "Teatro de Bonecas", de Milena Filócomo, com direção de Adriano Cypriano. A montagem contará com sessões às segundas e terças-feiras, às 20h, até 4 de fevereiro.

 

Equipamento da Secretaria de Estado da Cultura, gerido em parceria com a Associação Paulista dos Amigos da Arte/APAA, o Teatro Sérgio Cardoso, deste modo, amplia sua programação semanal, agora incluindo o teatro adulto na programação da Sala Pascoal Carlos Magno, que já vinha recebendo espetáculos de dança, musicais e infantis.

 

"Teatro de Bonecas" explora simbolicamente as memórias inventadas da personagem Nora, do texto Casa de Bonecas, de Henrik Ibsen. Trata-se de uma mulher que, após se casar, viver numa casa aconchegante ao lado do gentil marido e cercada de filhos, decide ir embora.

 

A dramaturgia de Milena Filócomo – que também atua, ao lado de Jackeline Stefanski – não é uma adaptação do texto de Ibsen, mas uma inacabada reinvenção, que une memórias e farrapos autobiográficos das atrizes, que, postos juntos, em exótica coleção, tocam a audiência. São imagens e histórias que, de tão sinceramente humanas, já não podem ter um único dono. E revelam a fragilidade entre o real e o ficcional, linha tênue que descortina um território onde os sentidos estão sempre a serem completados pelo olhar do outro.

 

Os criadores revelam que a montagem ainda se inspira em um recurso das artes plásticas chamado pentimentos – os "arrependimentos" do pintor, aqueles traços apagados pela sobreposição de camadas de tintas, mas testemunhas inegáveis da composição da obra e sua genealogia. "'Há uma gota de sangue em cada poema - conforme predisse o poeta - e, talvez, no caso da cena teatral, muito mais. O performer cria não apenas com seu sangue, mas com todos seus fluídos materiais e etéreos. Em cena está no corpo e em sua materialidade, porém a partir do espaço de representação emerge o invisível", afirma o diretor Adriano Cypriano.

 

A música, composta pela cantora e musicista Kika, envolve o espaço e remete ao tempo cíclico e eterno. Com uma melodia de piano que sofre interferências de outros sons, riscando a harmonia, a sensação é de uma trilha de sonho e suspense, na qual nada é concluído, pois está em constante construção. E que dialoga o tempo todo com o estado das atrizes em cena e conta parte da história.

 

PERFIS

 

Adriano Cypriano                          Diretor

Doutorando, mestre e bacharel em Artes Cênicas na Escola de Comunicações e Artes da USP. Foi aluno de Phillipe Gaulier em Londres, GITIS (Academia Russa de Artes Teatrais) em Moscou e da Commedia Dell'arte, com António Fava em Reggio Emilia.  Dirigiu espetáculos como: Narraador, Diário de Anne Frank, Amor em Tempo de Morte, A Pequena História da História do Amor e Urubu e o Sonho, entre outros.

 

Milena Filócomo                            Atriz e Dramaturga

Formada pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", com mestrado na mesma instituição. Por dez anos estudou dança contemporânea e atualmente dirige aulas de expressão corporal. Seu trabalho mais recente é a participação como atriz no espetáculo, Ficção, da Cia Hiato, percorrendo Festivais Nacionais e Internacionais de Teatro. Trabalha no Núcleo Vendaval, no qual atua, e escreve peças infantis, entre elas; A Viagem de Ultravioleta, Hércules e As Histórias de Lá.

 

Jackeline Stefanski                                   Atriz

Formada pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Entre 2011 e 2012, integrou a Cia Club Noir, atuando em diversos espetáculos, sob direção de Roberto Alvim e Juliana Galdino, entre eles, Peep Classic Ésquilo, vencedor do Prêmio Governador do Estado de São Paulo; vencedor na Categoria Especial do Prêmio APCA; eleito a Melhor Estreia Nacional pela Folha de S. Paulo; indicado como Melhor Espetáculo no Prêmio Bravo! Bradesco Prime de Cultura. Ainda em 2012, fundou a operação: estrangeiros – plataforma de parcerias artísticas e culturais e dirigiu o espetáculo, Além do Ponto, de Caio Fernando Abreu.

 

Kika                                                  Trilha sonora e composição original

A cantora e musicista Kika é formada pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho". Lançou seu primeiro álbum solo, Pra Viagem, com produção de Decio7 e Victor Rice. O disco frequentou listas de melhores do ano e o show foi selecionado pela "Mostra Prata da Casa". Em novembro de 2012 foi ao ar o programa Ensaio, da TV Cultura, com Kika e banda.

 

 Sala Paschoal Carlos Magno

Teatro Sérgio Cardoso

Idealizado pelo ator Sérgio Cardoso e sua esposa, a também atriz Nydia Licia, o Teatro Bela Vista foi inaugurado em 1956, com "Hamlet da Dinamarca", de Shakespeare. Sua abertura significou o êxito da empreitada iniciada dois anos antes, quando o casal reuniu parceiros para reformar o antigo Cine Teatro Espéria e transformá-lo no teatro mais moderno e confortável da cidade de São Paulo.

Palco de grandes espetáculos até o final da década de 1960, o Teatro Bela Vista voltou às mãos dos antigos proprietários do terreno em 1970. No ano seguinte, o Governo do Estado de São Paulo decidiu desapropriar o terreno e iniciou a construção de um novo teatro, com modernas instalações. Em 18 de agosto de 1972, quase um ano após o início da obra, um enfarte fulminante tirou de cena Sérgio Cardoso, que acabou sendo homenageado pelo Governo paulista: como o projeto previa duas salas distintas, a maior delas recebeu o nome do autor. A outra, o nome de Sala Paschoal Carlos Magno.

Animador, produtor, crítico, autor e diretor teatral carioca, Paschoal foi uma personalidade fundamental na dinamização e renovação da cena teatral brasileira, tendo sido o fundador do Teatro do Estudante do Brasil e do Teatro Duse.

A inauguração do teatro aconteceu em 13 de outubro de 1980, com "Sérgio Cardoso em Prosa e Verso". Em 2004 o Teatro Sérgio Cardoso passou a ser administrado pela APAA - Associação Paulista dos Amigos da Arte. Camarins, salas de espera e plateias foram remodelados. Com instalações técnicas mais modernas, as salas receberam novos equipamentos de áudio e iluminação, principiando uma nova fase de sua história. 

Entre agosto de 2010 e setembro de 2011, o teatro passou por nova reforma. O Governo do Estado de São Paulo investiu R$ 7,6 milhões na troca da cobertura, dos sistemas de exaustão e climatização, reconstrução dos pisos de concreto nas salas de espetáculo, troca do piso das áreas de circulação e instalação de elevadores e rampas para incrementar a acessibilidade. Mais 900 m² de área construída foram acrescentados em uma nova edificação, nos fundos do teatro, para abrigar eventos e área administrativa.

 

FICHA TÉCNICA

Direção e iluminação: Adriano Cypriano

Dramaturgia: Milena Filócomo

Elenco: Jackeline Stefanski e Milena Filócomo

Trilha sonora e composição original: Kika

Cenário e figurino: o grupo

Fotografia: Zé Aires

Produção Geral: Vander Lins

 

SERVIÇO

TEATRO SÉRGIO CARDOSO

SALA PASCHOAL CARLOS MAGNO

Espetáculo: "TEATRO DE BONECAS"


De 13 de janeiro a 4 de fevereiro de 2014.

Segundas e terças-feiras, às 20h

Local: Teatro Sérgio Cardoso – Sala Paschoal Carlos Magno
Endereço: Rua Rui Barbosa, 153 - Bela Vista – São Paulo/ SP
Estações do Metrô Próximas: São Joaquim e Brigadeiro
Bilheteria: (11) 3288-0136 0136 (quarta a sábado a partir das 14h p/vendas antecipadas)
Ingressos: R$ 20 e R$ 10 – meia-entrada para estudantes
Cartões: Visa e Visa Electron
Ar – Condicionado

Acessibilidade para Pessoas com Deficiência

www.apaacultural.org.br

Moradores do Bixiga que apresentarem comprovante de residência pagam R$ 5,00 em qualquer espetáculo
Capacidade: 144 lugares
Duração: 90 minutos
Classificação etária: 12 anos


quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

Museu da Língua Portuguesa comemora aniversário da cidade de São Paulo com atrações especiais

Lançamento do livro "Convite Paulistano" e exibição do filme "A musa impassível" fazem parte da programação do feriado


O Museu da Língua Portuguesa, instituição da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo, localizado no prédio da Estação da Luz, apresenta programação especial em comemoração aos 460 anos da cidade de São Paulo. Como um presente à cidade de São Paulo, no dia 25 de janeiro, o Museu da Língua Portuguesa ficará aberto até às 20h, com diversas atividades.

No dia 25 de janeiro, às 15h, acontecerá o lançamento do livro Convite Paulistano (Editora Escrita Fina), de Sandra Lopes, que será marcado por um bate-papo com a autora sobre a relação com os espaços culturais da cidade. A partir dos poemas curtos de Sandra Lopes e das aquarelas de André Côrtes, suas páginas mostram que São Paulo também é uma cidade de trilhas verdes, samba e passeios coloridíssimos; metrópole que guarda recantos bucólicos e, ao mesmo tempo, abraça o cosmopolitismo; lugar onde é possível se espichar ao sol e mergulhar nos convites da madrugada; desfrutar de sabores do mundo todo e se encantar com a variedade de pássaros de Moema. O evento acontecerá no espaço térreo da Estação da Luz, ao lado do saguão.

Já às 18h, haverá a exibição do filme A musa impassível, cuja narrativa estimula o leitor a observar a Estação da Luz e outros pontos marcantes do bairro. "Em um pedaço da metrópole povoado de homenagens à personalidades – Caxias, Garibaldi, etc –, a trajetória de Edivaldo e Adrine ratifica o sentimento mais profundo que permeia a região da Luz e seus arredores há mais de 100 anos: o de que a vida é formada pelos pequenos mas marcantes encontros, pela aceitação das diferenças e as conexões afetivas que temos coragem de assumir e viver."
Além disso, é possível ainda visita a exposição temporária "Cazuza mostra sua cara" e a mostra "Esta Sala é Uma Piada", que apresenta 36 obras exibidas na 40ª. Edição do Salão Internacional de Humor de Piracicaba.

MUSEU DA LÍNGUA PORTUGUESA
Endereço: Praça da Luz s/n; tel.: (11) 3322-0080
Horário: de terça a domingo, das 10h às 18h (a bilheteria fecha às 17h). Fechado às segundas. Na última terça-feira do mês o museu fica aberto até as 22h (bilheteria até as 21h).
Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia entrada), com entrada gratuita aos sábados e as terças (gratuidade da terça até março).



sábado, 4 de janeiro de 2014

CULTURA DE RUA É TEMA DE DUAS EXPOSIÇÕES NO SESC VILA MARIANA

A partir de janeiro, o Sesc Vila Mariana apresenta duas exposições que trazem como eixo temático a cultura urbana: Em Tempo: Cultura de Rua e seus Movimentos no Hall de Exposições e A Cultura de R ua - Ressignificando o Cenário Urbano, na Internet Livre.

A exposição Em Tempo: Cultura De Rua e Seus Movimentos explora o universo das práticas urbanas e culturais peculiares ao espaço multifacetado da cidade de São Paulo. Utilizando diferentes técnicas de arte de rua, como o estêncil, o grafite e a colagem, os artistas Ozi, Rafael Highraff e o coletivo Ocupeacidade traduzem a pulsação e a frequência das ruas com suas obras.

Essa aproximação de diferentes técnicas e estilos da arte de rua permite interpretações visuais e poéticas das dinâmicas urbanas, transições e da simultaneidade entre momentos de trânsito, situações de lazer e prática esportiva, exigindo um estado de constante adaptação e reinvenção do tempo de cada um.

Além da exibição dos painéis que compõem essa exposição, haverá a atividade Ateliê Aberto, que permitirá a continuidade da produção dos trabalhos expostos, ocasião em que a técnica de alguns artistas estará aberta à apreciação do público.

Já a exposição A Cultura de Rua - Ressignificando o Cenário Urbano traz imagens captadas por Fabio Bitão, fotógrafo e skatista, a partir do universo urbano. As fotos, em preto e branco, traduzem o estilo de vida do universo hip hop, punk rock e rock 'n' roll associados ao skate e a reapropriação e usufruto dos espaços urbanos que o esporte proporciona.

A concepção das exposições faz parte da proposta temática do Sesc Verão 2014: O Tempo e as Escolhas de Lazer da População, a partir da perspectiva do Esporte para Todos, que busca apresentar ao público esportes democráticos, tanto no acesso quanto nas formas de participação e aproveitamento.

COLETIVO OCUPEACIDADE
Teve início em São Paulo em 2006, com a proposta de unir pessoas interessadas em produzir coletivamente ações artísticas e multiplicadoras nos diversos espaços da cidade, de maneira a criar novas relações com o território vivido cotidianamente pelos habitantes da nossa metrópole.

OZI
Ozi iniciou suas atividades no grafite em 1985, com apoio de Alex Vallauri (precursor do grafite em São Paulo) e Maurício Villaça. Tem participado ativamente da cena street art de São Paulo e de exposições no Brasil e exterior, em galerias, museus, instituições culturais e espaços ao ar livre.

RAFAEL HIGHRAFF
Seu primeiro contato com a pintura se deu através do grafite por volta de 1997. A partir de 2004, iniciou sua carreira artística, expondo seus trabalhos em museus, galerias e importantes espaços institucionais. Possui um estilo e identidade visual com características inconfundíveis.

FÁBIO BITÃO
O ex-skatista profissional se envolveu com o skate há mais de vinte anos. Desde os anos 90, desenvolve um trabalho de fotografia dedicado a registrar o estilo de vida e a cena do skate no Brasil e no exterior, tendo fotos publicadas em várias revistas ao redor do mundo.

SESC VERÃO 2014
Em sua 19ª edição, o Sesc Verão é um projeto que desenvolve uma programação temática especial colocando-a em prática simultaneamente nos meses de janeiro e fevereiro, nas diversas unidades do Sesc na capital, litoral e interior. Reúne mais de dois milhões de pessoas e vem se consolidando como uma proposta cujo objetivo é conscientizar as pessoas sobre os benefícios das práticas esportivas e corporais, utilizando-se de estratégias que favoreçam a aquisição de conhecimentos, a fácil compreensão e assimilação de conceitos relacionados à cultura esportiva e corporal e ao lazer.

Exposição EM TEMPO: CULTURA DE RUA E SEUS MOVIMENTOS
De 4 de janeiro a 9 de março, terça a sexta, das 10h às 21h30; sábados das 10h às 20h30; domingos, das 10h às 18h30
Hall de Exposições
Grátis
Livre para todos os públicos

ATELIÊ ABERTO
De 18 de janeiro a 9 de fevereiro, sábados e domingos, das 15h às 17h
Local: Hall de Exposições
Grátis
Livre para todos os públicos

Exposição A CULTURA DE RUA - RESSIGNIFICANDO O CENÁRIO URBANO
Até 16 de março, terça a sexta, das 13h30 às 21h30; sábados, domingos e feriados, das 10h30 às 18h30
Internet Livre
Grátis
Livre para todos os públicos

Horário de funcionamento da unidade: Terça a sexta, das 7h às 21h30; sábado, das 9h às 21h; e domingo e feriado, das 9h às 18h30.

Estacionamento: R$ 3 a primeira hora + R$ 1 a hora adicional (matriculados no Sesc). R$ 6 a primeira hora + R$ 2 a hora adicional (não matriculados). 200 vagas.

Sesc Vila Mariana
Rua Pelotas, 141
Informações: 5080-3000
sescsp.org.br
Siga-nos: /sescvilamariana

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Museu Casa de Portinari realiza programação especial para as férias escolares

 
Realizada de 2 a 31 de janeiro, o projeto 'Férias no Museu' será desenvolvido na esplanada do museu, com entrada gratuita

Durante o mês de janeiro, o Museu Casa de Portinari, instituição da Secretaria de Estado da Cultura, administrada em parceria com a Associação Cultural de Apoio ao Museu Casa de Portinari (ACAM Portinari), realiza o projeto "Férias no Museu", de 2 a 31 de janeiro, na esplanada do equipamento museológico. As atividades irão resgatar brincadeiras antigas, vividas na infância e eternizadas e na obra de Portinari, e também oficinas culturais e teatro de fantoches.

Todos os dias, das 9h às 12h e das 14h às 17h, serão oferecidas brincadeiras infantis, entre elas pula-corda, amarelinha, pique esconde e peteca, manipulações de brinquedos, como pé de lata, pião, diabolô, bilboquê, iô-iô, bolinhas de gude e malabares, além de uma oficina de desenho. Aos finais de semana, o público mirim participará nas apresentações com teatro de fantoches, nos mesmos horários.

De acordo com a gerente do museu, Cristiane Maria Patrici, a ação tem como objetivo recriar cenários vividos por "Candinho", além de inspirar os participantes para que sintam o prazer das brincadeiras de rua.

"Uma das nossas maiores vocações é aproximar o visitante de uma época e costumes que ele não teria contato se não fosse proporcionada por um espaço de salvaguarda da memória, como o museu. As brincadeiras coletivas, os brinquedos feitos com materiais simples e de forma artesanal, o exercício da criatividade para imaginar situações e recriar paisagens de 'faz de conta' aproximarão os pequenos da realidade vivida por Portinari, ambiente que também o influenciou a ser um dos maiores artistas de nosso país", finaliza Patrici.

Gratuito, o projeto vai até dia 31 de janeiro. O museu está localizado na Praça Candido Portinari, nº 298, no Centro. Mais informações pelo telefone (16) 3664-4284.


Serviço:
"Férias no Museu"

"Brincadeiras Infantis"
Data: de 2 a 31/1/2014
Horário: das 9h às 12h e das 14h às 17h

"Manipulação de Brinquedos"
Data: de 2 a 31/1/2014
Horário: das 9h às 12h e das 14h às 17h

"Oficina de Desenho"
Data: de 2 a 31/1/2014
Horário: das 9h às 12h e das 14h às 17h

"Teatro de Fantoches"
Data: 3, 4, 5, 10, 11, 12, 17, 18, 19, 24, 25, 26 e 31/1/2014

Horário: das 9h às 12h e das 14h às 17h
Local: Praça Candido Portinari, s/n° - Centro – Brodowski/SP
Informações: (16) 3664-4284

Programação de Janeiro/2014 do Museu Índia Vanuíre

 
Museu Histórico e Pedagógico Índia Vanuíre
Rua Coroados, nº 521
Centro - Tupã-SP
Telefone: (14) 3491-2333
contato@museuindiavanuire.org.br
www.museuindiavanuire.org.br

JANEIRO

"Oficinas para Famílias"
Dias: 4, 5, 11, 12, 18, 19, 25 e 26/1/2014
Aos sábados e domingos, o Museu Índia Vanuíre realiza oficinas culturais para famílias. A programação desenvolverá atividades lúdicas e reflexivas com os participantes, como forma de uma maior integração entre a família e museu, proporcionando que os pais participem juntos com seus filhos das atividades, em um dia prazeroso de aprendizado, cultura e lazer no museu. Em janeiro, a atividade propõe a confecção de um pandeiro e de um chaveiro com o "Galo de Barcelos", tradicional símbolo da cultura portuguesa.
Local: Museu H.P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)
Horário: 10h às 16h
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita

"Museu e Cidadania"
Data: 8,15,22 e 29/1/2014
Todas as quartas-feiras, o museu recebe o público da Clínica Dom Bosco para explorar os conteúdos do acervo e das exposições temporárias de forma acessível. A ação tem como objetivo a inclusão sociocultural. Em janeiro, as atividades estarão voltadas para recreação, com jogos e brincadeiras de férias. O objetivo é descontrair os participantes e oferecer momentos de lazer.
Local: Museu H.P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)
Horário: às 15h
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita

"Em Cartaz no Museu"
Data: 31/1/2014
Para que novas gerações reconheçam a contribuição dos diversos grupos para a formação do país, será exibido um documentário no auditório da instituição, seguido por uma roda de conversa com os participantes. Em janeiro, será exibido um vídeo com depoimentos dos imigrantes portugueses.
Local: Museu H.P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)
Horário: 10h e 14h
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita

 

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA "Gasbol"

Período: até jan/2014

Está em cartaz na Biblioteca Municipal Tobias Rodrigues, em Tupã, uma exposição itinerante do MAE/USP, realizada pelo Museu Índia Vanuíre. A mostra fotográfica "Gasbol" reúne 32 pranchas que contam a história dos antigos habitantes do sul de São Paulo. A montagem foi feita a partir de uma pesquisa arqueológica e demonstra que a ocupação indígena no Estado de São Paulo é remota. Essa exposição leva o público à discussão sobre a arqueologia apresentada. 

Local: Biblioteca Municipal Tobias Rodrigues (Avenida Tamoios, nº 1.685 - Centro - Tupã/SP)
Horário: segunda a sexta, das 8h às 17h
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita


"Oficina de Férias"
Período: de 14 a 18/1/2014

De 14 a 18 de janeiro, das 9h às 11h30, o museu desenvolverá a programação "Oficina de Férias" para crianças de 6 a 12 anos. Com atividades lúdicas e reflexivas, a ação proporcionará aos participantes momentos de descontração, aprendizagem e cultura. O objetivo é propor para o público infantil ações diferenciadas do seu cotidiano, em busca de um maior entrosamento social, em atividades lúdicas, que despertem e agucem a criatividade, as funções motoras e o relacionamento interpessoal. Entre as ações estão: oficinas de confecção de filtro de sonhos, de pandeiro e chaveiro com o tema "Galo de Barcelos", passeio ao campo de golfe de Bastos e aprendizado sobre a colônia japonesa local, além de uma gincana com brincadeiras indígenas.
Local: Museu H.P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)
Horário: de terça a sábado, das 9h às 11h30
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita


Programação "Portugal em Tupã"

"Oficina de Culinária"
Data: 15/1/2014
Para homenagear a colônia portuguesa, o Museu Índia Vanuíre realiza uma oficina de culinária restrita para o público da terceira idade. A ação será ministrada por Sandra Maria Figueiredo Rosa, que ensinará aos participantes um dos mais tradicionais pratos típicos português: o "bolinho de bacalhau".
Local: Museu H.P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)
Horário: às 14h
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita

EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA "Portugal em Tupã"


Período: até fev/2014
Os principais colonizadores do Brasil são tema de uma exposição temporária do Museu Índia Vanuíre. A colônia portuguesa é homenageada na montagem que revelará as principais razões que motivaram a vinda dessas famílias para o país, os costumes da "terrinha", o idioma, as danças, a alimentação e a memória. A proposta é estimular e promover a reflexão sobre a realidade histórica da época, que contribuiu relevantemente para a formação do Brasil e de Tupã.
Local: Museu H.P. Índia Vanuíre (Rua Coroados, nº 521, Centro – Tupã/SP)
Horário: de terça-feira a domingo, da 9h às 17h
Informações: (14) 3491-2333
Entrada: gratuita

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

CINEMA BELGA NA CAIXA CULTURAL SÃO PAULO

 

 

Cenas de alguns filmes da Mostra – Divulgação

 

 

Cinema Belga em cartaz na CAIXA Cultural São Paulo

 

De 14 a 26 de janeiro, a Caixa Cultural de São Paulo recebe a Mostra Cinema Belga Contemporâneo dedicada aos novos talentos da cinematografia da Bélgica, em especial aos jovens diretores cuja produção se desenvolveu essencialmente a partir dos anos 2000. A lista conta com Dominique Abel, Fiona Gordon, Bouli Lanners, Koen Mortier, Lucas Belvaux, Olivier Smolders, Joachim Lafosse, Ursula Meier e outros cineastas reconhecidos e premiados internacionalmente.

Os filmes selecionados representam a produção belga recente em critérios de qualidade e de diversidade cultural. Há produções faladas em francês e flamengo, criadas por homens e mulheres, produzidas apenas na Bélgica ou em parceria com países vizinhos (França, Suíça, Holanda). Algumas delas adotam um estilo narrativo clássico (Oxigênio, prêmio revelação no European Film Awards, Propriedade privada, menção honrosa no festival de Veneza), enquanto outros flertam com a videoarte (Black Night) ou ainda com o cinema underground (ExDrummer e Aaltra, ambos selecionados no festival de Roterdã).

No que diz respeito aos gêneros, há comédias, dramas, romances e mesmo filmes de terror. Esta mostra reúne de forma inédita uma série de estudos a respeito desta produção audiovisual. Preenche, portanto, uma lacuna que existia no estudo do audiovisual e traz ao grande público abordagens acerca da produção cinematográfica da Bélgica.

Além da exibição gratuita das obras, a mostra Cinema Belga Contemporâneo oferecerá dois mini-cursos sobre o tema, ministrados pelo crítico e mestre em teoria de cinema Bruno Carmelo. Haverá também dois debates com o público, contando com as presenças dos críticos e historiadores da arte Filipe Furtado e Martinho Jr., e dos críticos de cinema Heitor Augusto e Francis Vogner dos Reis.   

 

Serviço:

Cinema Belga Contemporâneo

Data: de 14 a 26 de janeiro de 2014 (terça-feira a domingo)

Horários: consultar programação abaixo ou no site http://www.cinemabelgacontemporaneo.com

Local: CAIXA Cultural São Paulo

Endereço: Praça de Sé, 111 – Centro – São Paulo (SP)

Capacidade: 50 lugares

Entrada: Franca (os ingressos deverão ser retirados com 1 hora de antecedência)

Classificação etária: 18 anos

 

Mini Curso: Reflexões sobre a produção cinematográfica belga

Data: 25 e 26 de janeiro

Horário: 18h

Capacidade: 30 lugares

Inscriçõesa partir de 10/01/2014,  pelo site http://www.cinemabelgacontemporaneo.com

 

Debates: Reflexões sobre a produção cinematográfica belga

Datas

18 de janeiro (sábado)  - debate com Francis Vogner dos Reis & Heitor Augusto

24 de janeiro (sexta) - debate com Filipe Furtado & Martinho Junior

Horários: 18 horas

Capacidade: 50 lugares

Entrada: Franca (os ingressos deverão ser retirados com 1 hora de antecedência. Também poderão participar os espectadores das sessões das 16h)

 

 

PROGRAMAÇÃO CINEMA BELGA CONTEMPORÂNEO

Data (Horário/Nome do Filme/Duração)

14 de janeiro (terça)

16h - Uma cidade chamada pânico (74')

17h30 - Bullhead (123')

 

15 de janeiro (quarta)

16h – Noite negra (90')

18h – Moscou, Bélgica (102')

 

16 de janeiro (quinta)

16h – Pássaro azul (86')

18h – Ex-drummer (104')

 

17 de janeiro (sexta)

14h – Rumba (77')

16h - Home (98')

18h - Área dos desaparecidos (109')

 

18 de janeiro (sábado)

14h – Eldorado (80')

16h – A razão do mais fraco (110')

18h – debate com Francis Vogner dos Reis & Heitor Augusto

 

19 de janeiro (domingo)

14h - Oxigênio (98')

16h – JCVD (92')

18h – Aaltra (88')

 

21 de janeiro (terça)

14h – Área dos desaparecidos (109')

16h – Home (98')

18h – A razão do mais fraco (110')

 

22 de janeiro (quarta)

14h - Aaltra (88')

16h - Oxigênio (98')

18h - Rumba (77')

 

23 de janeiro (quinta)

14h - Bullhead (123')

16h - Uma cidade chamada pânico (74')

18h - Noite negra (90')

 

24 de janeiro (sexta)

14h – Pássaro azul (86')

16h – Propriedade privada (88')

18h – debate com Filipe Furtado & Martinho Junior

 

25 de janeiro (sábado)

14h – Eldorado (80')

16h - Ex drummer (104')

18h – mini-curso com Bruno Carmelo

 

26 de janeiro (domingo)

14h - JCVD (92')

16h – Moscou, Bélgica (101')

18h – mini-curso com Bruno Carmelo