quarta-feira, 29 de julho de 2015

Concurso de Fotografia Subprefeitura Ipiranga

 

Festejos do Ipiranga contam com 5° edição do concurso de fotografia

 

Para participar é necessário realizar a inscrição na Subprefeitura Ipiranga, ter 14 anos ou mais e residir em um dos três distritos: Ipiranga, Sacomã ou Cursino

 

 

 

A Subprefeitura Ipiranga em parceria com o CADES – Ipiranga (Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz do Bairro do Ipiranga) realiza a 5° edição do concurso de fotografia, em comemoração aos 431 anos do bairro.

 

O concurso, que acontece no dia 26 de setembro, às 10h30, no Mercado Municipal, na Rua Silva Bueno, tem como tema “Lixo – Contrastes e Soluções Criativas no Ipiranga”. O objetivo é despertar novos talentos na arte de fotografar e retratar condições ambientais da região, além de divulgar a atuação do Conselho de Meio Ambiente.

 

Para participar é necessário realizar a inscrição na Subprefeitura Ipiranga, ter no mínimo 14 anos e residir em um dos três distritos: Ipiranga, Sacomã ou Cursino.  Lembrando que os menores poderão participar desde que devidamente autorizado pelos pais ou responsável legal e acompanhado destes.

 

Não serão aceitas fotos que já tenham sido publicadas em veículos de comunicação ou em outros concursos. Cada candidato pode enviar até três fotos diferentes, em papel fotográfico no tamanho 20cm x 30cm, em preto e branco ou colorido.

 

Os participantes terão as fotografias analisadas pela comissão julgadora, que será composta por membros do CADES – Ipiranga e por mais três profissionais da área de fotografia, com experiência comprovada. Assim, serão escolhidas três fotografias que serão premiadas com um certificado de participação e um troféu ou medalha, referente ao concurso.

 

As inscrições das fotografias serão recebidas de 01/08/15 até às 16 horas do dia 01/09/2015.

 

 

 


“Esta mensagem, incluindo seus anexos, é confidencial e seu conteúdo é restrito ao destinatário da mensagem. Caso você a tenha recebido por engano, queira, por favor, retorná-la ao destinatário e apagá-la de seus arquivos. É expressamente proibido o uso não autorizado, replicação ou disseminação da mesma. As opiniões contidas nesta mensagem e seus anexos não necessariamente refletem a opinião do órgão emissor”.

terça-feira, 28 de julho de 2015

5º CONCURSO DE FOTOGRAFIA IMAGEM SÓCIOAMBIENTAL DO IPIRANGA

“LIXO – CONTRASTES E SOLUÇÕES CRIATIVAS NO IPIRANGA”

As inscrições para o concurso de fotografia já estão abertas e podem ser realizadas na sede da Subprefeitura Ipiranga, sita na Rua Lino Coutinho, 444 – Ipiranga, de 01/08/15 a 01/09/15, das 9 às 16 horas. A Subprefeitura Ipiranga em parceria com o CADES – Conselho Regional de Meio Ambiente, Desenvolvimento Sustentável e Cultura de Paz do Ipiranga está com inscrições abertas para a quinta edição do concurso cultural de fotografia socioambiental.


O objetivo principal do concurso é despertar o interesse da população pelo bairro, podendo participar qualquer cidadão com idade a partir de 14 anos, sendo que, os menores entre 14 a 18 anos poderão participar desde que devidamente autorizados pelos pais ou responsável legal e acompanhados destes, retratando o tema “LIXO – CONTRASTES E SOLUÇÕES CRIATIVAS NO IPIRANGA” nas regiões dos subdistritos: Cursino, Ipiranga e Sacomã.


A Comissão julgadora levará em consideração a originalidade, criatividade, qualidade fotográfica e melhor adequação ao tema. E a homenagem acontecerá no dia 26/09/2015 no Mercado Municipal do Ipiranga, Rua Silva Bueno, 2109, a partir das 10h30. A participação só será efetivada mediante o preenchimento da ficha de inscrição, com aceite dos termos do regulamento e a entrega das fotos, as quais deverão estar impressa em papel fotográfico no tamanho de 20cm x 30cm, preto e branco ou em cores, lembrando que cada candidato pode enviar até três fotos.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Mostra Cooperativas Habitacionais no Uruguai é prorrogada e fica em cartaz no MCB até 30 de agosto

Imagem
Exposição retrata a experiência uruguaia na produção de habitação social pelo sistema cooperativo

Visitação: até 30 de agosto

A exposição Cooperativas habitacionais no Uruguai - meio século de experiências foi prorrogada no Museu da Casa Brasileira, instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, ficando em cartaz até 30 de agosto. Com apoio do Consulado do Uruguai em São Paulo e curadoria dos arquitetos Alina del Castillo e Raúl Vallés da Unidade Permanente de Habitação (Montevidéu), Luis Octavio de Faria e Silva e Ruben Otero do curso de pós-graduação Habitação e Cidade (São Paulo), a mostra registra o movimento cooperativista no Uruguai por meio da reprodução de fotografias, planos e maquetes de vinte obras produzidas na cidade de Montevidéu durante 50 anos.

Resultado de um trabalho de documentação e pesquisa conjunto desenvolvido pela Faculdade de Arquitetura de Montevidéu (Uruguai) e a Escola da Cidade (SP/Brasil), a exposição contempla diversas modalidades de gestão, implantações urbanas e concepções de projeto.

A experiência uruguaia na produção de habitação social pelo sistema cooperativo é um dos episódios mais interessantes da arquitetura sul-americana nos últimos cinquenta anos. O movimento cooperativo destinado à construção de moradias populares surgiu nos anos 60 a partir da iniciativa de um pequeno grupo de profissionais que conseguiu articular um modelo eficiente para possibilitar o acesso à habitação de qualidade à população trabalhadora. Tudo isso aconteceu em um contexto de profunda crise econômica que, entre outros efeitos, gerou uma forte paralisação na indústria da construção. 

A partir do trabalho dessa equipe foi desenvolvida a base legislativa que gerou a Lei Nacional de Habitação Uruguaia (Lei Nacional de Vivenda) de 1968, uma conquista da classe operária organizada com experiência em trabalho coletivo, apoiada por uma geração de arquitetos com sólida formação técnica e comprometida com a melhora da qualidade de vida da popu lação.

A experiência cooperativa atingiu sua maturidade em meados dos anos 60, com uma produção relevante, tanto em termos quantitativos quanto qualitativos.  O movimento permaneceu em estado latente mesmo quando foi desarticulado pela ditadura militar, quando o regime militar uruguaio e o governo civil de Julio María Sanguinetti deixaram de conceder "personerías jurídicas" a cooperativas de habitação entre 1976 e 1989, impedindo assim a formalização de financiamento a milhares de pessoas. A produção ressurgiu, lentamente, com o restabelecimento democrático, incorporando novas modalidades de atuação como a reciclagem de construções existentes em áreas patrimoniais da cidade. 

O cooperativismo demonstrou ser um sistema de grande potencial para a construção do habitat social urbano que, transcendendo o estritamente arquitetônico, gerou projetos de autogestão e habitar coletivo com um papel fundamental na construção de cidadania. Ao longo dos 50 anos dessa experiência pioneira acumularam-se propostas, saberes, histórias, experiências de habitar coletivo, acertos e erros que caracterizam essa forma de fazer habitação coletiva com identidade própria.

Sobre o Museu da Casa BrasileiraO Museu da Casa Brasileira se dedica às questões da cultura material da casa brasileira. É o único do país especializado em design e arquitetura, tendo se tornado uma referência nacional e internacional nesses temas. Há algum tempo a gestão do MCB busca trazer a boa produção de design e arquitetura de países latino-americanos, aproximando a discussão de seus conteúdos às realidades culturais próximas, renovando o cenário cultural que normalmente se volta para a produção europeia e norte-americana. Em 2010, a mesma parceria institucional viabilizou a execução da mostra 'Panorama da Arquitetura Uruguaia' por ocasião da 8ª Bienal Internacional de Arquitetura de São Paulo, apresentand o um conjunto significativo de obras realizadas entre os anos 1950 e 1970, com curadoria de Ruben Otero, Luis Zino e Ignácio Errandonea.  Dentre as iniciativas do Museu, destacam-se o Prêmio Design Museu da Casa Brasileira, realizado desde 1986, e o projeto Casas do Brasil, que promove um inventário sobre as diferentes formas de morar no país.

Sobre a Escola da CidadeA Escola da Cidade é uma instituição de ensino superior reconhecida pelo Ministério da Educação que oferece curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo. A Escola é um centro de estudos de graduação e pós-graduação do desenho do ambiente, das diferentes formas de ocupação do espaço e das relações entre arquitetura, história, cultura, território e natureza.

Instituição de ensino sem fins lucrativos, a Faculdade reúne um conjunto de professores capacitados para formar futuros arquitetos que elaborem reflexões críticas e criem soluções técnicas e es téticas, lidem com conhecimentos que estruturam o pensamento construtivo, reconheçam a dimensão do espaço coletivo, fomentem processos interpretativos estruturados, contínuos e criativos.


SERVIÇO:
Cooperativas habitacionais no Uruguai - meio século de experiências
Visitação: até 30 de agosto
Local: Museu da Casa Brasileira (11) 3032.3727
Av. Brig. Faria Lima, 2705 - Jd. Paulistano
VISITAÇÃO
De terça a domingo, das 10h às 18h
Ingressos: R$ 6 e R$ 3 (meia-entrada) | Crianças até 10 anos e maiores de 60 anos são isentos
Gratuito aos sábados, domingos, feriados e aberturas noturnas
Acesso a pessoas com deficiência / Bicicletário com 40 vagas
Estacionamento pago no local

Visitas orientadas: (11) 3026.3913 / agendamento@mcb.org.br

Funarte lança nove editais nas áreas de artes visuais, circo, dança, música e teatro

No dia 24 de julho (sexta-feira), o presidente da Fundação Nacional de Artes – Funarte, Francisco Bosco, e o ministro da Cultura, Juca Ferreira, vão anunciar o lançamento de nove editais nas áreas de artes visuais, circo, dança, música e teatro, com abrangência nacional. Ao todo, serão contemplados 354 projetos. Entre os editais estarão três das principais premiações da instituição: prêmios FunarteCarequinha de Estímulo ao Circode Teatro Myriam Muniz e de Dança Klauss Vianna. O anúncio será na Funarte MG, no bairro Floresta, em Belo Horizonte, às 16h.
Os editais de circo, dança e teatro vão selecionar juntos 235 projetos divididos entre os PrêmiosCarequinha de Estímulo ao Circode Teatro Myriam Muniz e de Dança Klauss Vianna. O objetivo é possibilitar o desenvolvimento de atividades artísticas, incentivando a criação e a circulação de espetáculos; além de contribuir para a manutenção de coletivos, grupos e companhias; a renovação ou manutenção da infra-estrutura dos circos brasileiros; e promover a formação e fomentar a pesquisa.
Para a música serão dois editais: Prêmio Funarte de Apoio a Orquestras e Prêmio Funarte Palcos de Música Popular. Neste ano, o primeiro será voltado a orquestras infantojuvenis, contemplando orquestras de música clássica para bairros e comunidades populares. Dividido em dois módulos, oPrêmio Funarte Palcos de Música Popular tem foco na produção da música autoral independente e contemporânea, divididos em dois módulos: “Palcos e Equipamentos musicais” e “Festivais e Mostras”.
Na área de artes visuais, os prêmios de Artes Plásticas Marcantonio VilaçaMarc Ferrez de Fotografia,de Arte Contemporânea e o Programa Rede Nacional de Artes Visuais – 12ª Edição irão possibilitar a produção artística destinada ao acervo de museus públicos e privados e a realização de oficinas, bolsas e exposições para as galerias e espaços da Funarte, em Brasília (DF), São Paulo (SP) e Belo Horizonte (MG); e de espaços parceiros da Funarte em Belém (PA) e no Recife (PE).
Os editais têm datas de inscrições diferenciadas, que serão divulgadas no evento de lançamento. Todas as informações sobre os editais estarão disponíveis na página eletrônica da Funartewww.funarte.gov.br.
EDITAIS DE FOMENTO 2015

Prêmio Funarte Carequinha de Estímulo ao Circo/2015
Objetivo: contribuir para a renovação ou manutenção da infraestrutura dos circos brasileiros; incentivar a montagem, renovação e circulação de números e espetáculos; promover a formação; e fomentar a pesquisa. 

PRÊMIO FUNARTE DE TEATRO MYRIAM MUNIZ/2015 
Objetivo: fomentar o desenvolvimento de atividades teatrais, incentivando a criação e a circulação de espetáculos; além de contribuir para a manutenção de coletivos, grupos e companhias.
  
PRÊMIO DE ARTES PLÁSTICAS MARCANTONIO VILAÇA – 8ª edição
Objetivo: incentivar produções artísticas destinadas ao acervo das instituições museológicas públicas e privadas sem fins lucrativos, fomentando a difusão e a criação das artes visuais e fortalecendo a memória cultural brasileira.

XV PRÊMIO FUNARTE MARC FERREZ DE FOTOGRAFIA
Objetivo: selecionar  projetos no campo da fotografia que visem estimular a reflexão e experiência artística, além do compromisso com a formação de público, com a inclusão social e a sustentabilidade.

PROGRAMA REDE NACIONAL DE ARTES VISUAIS – 12ª EDIÇÃO
Objetivo: selecionar projetos que promovam o intercâmbio entre os estados federativos brasileiros, por meio de oficinas, seminários e residências, ligados às artes visuais.

PRÊMIO FUNARTE DE ARTE CONTEMPORÂNEA 2015
Objetivo: selecionar projetos de exposição, na área de artes visuais, a serem realizados nas cidades de Brasília, São Paulo e Belo Horizonte (galerias e espaços da Funarte), e Belém/PA e Recife/PE (espaços parceiros da Funarte), a fim de estimular a multiplicidade e a diversidade de linguagens e tendências da arte contemporânea brasileira.
 
PRÊMIO FUNARTE DE APOIO A ORQUESTRASObjetivo: apoiar necessidades específicas dos conjuntos orquestrais para assegurar a seus instrumentistas a realização de apresentações públicas com instrumentos musicais nas melhores condições possíveis, propiciando a melhoria da qualidade técnica e artística das orquestras; e visando a sua sustentabilidade.  
PRÊMIO FUNARTE PALCOS DE MÚSICA POPULAR 2015Objetivo: fomentar palcos, equipamentos musicais, festivais e mostras que, por seu histórico, se destaquem como meios de difusão, fruição, mediação crítica e comercialização da música popular brasileira, com foco na produção da música autoral independente e contemporânea.
PRÊMIO FUNARTE DE DANÇA KLAUSS VIANNA/2015Objetivo: fomentar o desenvolvimento de atividades de dança, através da circulação nacional de espetáculos, atividades artísticas de profissionais com trabalho consolidado e de novos talentos.

Serviço
Lançamento de editais de fomento da Funarte
Dia 24 de julho de 2015, sexta-feira
16h

Funarte MG
Rua Januária, Nº 68, Floresta – Belo Horizonte
Minas Gerais (MG)

(31) 3213 3084 | 3213 7112funartemg@funarte.gov.br 

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Prefeitura realiza audiências públicas e elege comissões para eleição dos Conselhos Participativos Municipais



Objetivo é garantir transparência ao processo de elaboração do Projeto de Lei Orçamentária 2016 e promover a ampla participação no processo eleitoral

São Paulo, 15 de julho de 2015 – A Prefeitura Municipal de São Paulo realiza, nos dias 18 e 25 de julho, audiências públicas para discutir o Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA 2016), em todas as subprefeituras da cidade. Nas mesmas datas e locais, serão formadas as comissões eleitorais dos Conselhos Participativos Municipais.
Cada subprefeitura terá sua comissão, composta de cinco membros. O subprefeito ou pessoa designada por ele presidirá a comissão e os demais serão eleitos na plenária. A comissão é responsável por receber inscrições de candidatos e organizar a eleição. Para participar, é necessário comparecer à plenária e candidatar-se. Não podem participar aqueles que desejam candidatar-se ao Conselho Participativo Municipal.
As audiências estão previstas em lei e fazem parte do Ciclo Participativo de Planejamento e Orçamento, cujo objetivo é abrir o debate com a população sobre elaboração do PLOA 2016. As discussões realizadas servirão de subsídio para os conselhos definirem os projetos prioritários, na próxima etapa do Ciclo Participativo. Durante os eventos, serão apresentadas previsões para o orçamento do próximo ano e a população será convidada a manifestar-se sobre as demandas de cada região.

Sobre a eleição e o Conselho - Em 6 de dezembro de 2015, os cidadãos paulistanos poderão votar e ser candidatos ao segundo biênio dos conselhos (2016-2018). O período de inscrição dos candidatos irá de 3 de agosto a 4 de setembro. Serão eleitos 1162 conselheiros, com mandato de dois anos a partir de janeiro de 2016.
Neste ano, os imigrantes votarão em seus representantes junto com os demais cidadãos e terão pelo menos uma cadeira garantida em cada um dos Conselhos Participativos locais. De acordo com dados da Polícia Federal, há cerca de 380 mil estrangeiros que vivem em São Paulo. Os bairros que concentram maior número deles são Sé (4,59% da população total), Vila Mariana (3,12 %), Mooca (3,27%), Pinheiros (3,07%) e Vila Maria/Vila Guilherme (3,03%). Nestes locais,  os imigrantes  terão mais vagas nos conselhos. Outra novidade é que de acordo com a nova norma as mulheres ocuparão pelo menos 50% das vagas.
Os candidatos serão eleitos por voto direto, secreto, facultativo e universal de todas as pessoas com mais de 16 (dezesseis) anos e que sejam portadoras de título de eleitor da capital, acompanhado de cédula de identidade ou outro documento de identificação com foto expedido por órgão público.
O Conselho Participativo Municipal é um organismo autônomo da sociedade civil, reconhecido pelo Poder Público Municipal como instância de representação da população de cada região da cidade (os Conselhos de Participação atuam na área das 32 subprefeituras). Sua função é exercer o direito dos cidadãos ao controle social, por meio da fiscalização de ações e gastos públicos e da apresentação de demandas, necessidades e prioridades na área de sua abrangência.

Calendário:
Plenárias para formação da comissão eleitoral - 18 e 25 de julho
Inscrição dos candidatos - 3 de agosto a 4 de setembro
Divulgação dos candidatos e locais de votação – 21 de outubro
Eleição – 6 de dezembro

Veja aqui a data da audiência em cada subprefeitura:

DATA: 18 de julho  de 2015 (sábado)
HORÁRIO
SUBPREFEITURA
LOCAL DA AUDIÊNCIA PÚBLICA
9:00 às 12:00 h
Aricanduva/Vila Formosa/Carrão
Auditório da Subprefeitura de Aricanduva/V. Formosa - Rua Atucuri, n. 699, Vila Carrão
9:00 às 12:00 h
Casa Verde
EMEF  Professora Dona Angelina Maffei Vita –  Rua Zilda, 193 - Casa Verde Alta
9:00 às 12:00 h
Penha
Auditório da Subprefeitura da Penha - Rua Candapuí, n. 492
9:00 às 12:00 h
Santana/Tucuruvi
Auditório da Subprefeitura de Santana/Tucuruvi -Avenida Tucuruvi, n. 808
9:00 às 12:00 h
Auditório da Biblioteca Mario de Andrade - Rua da Consolação, n. 94, Centro
9:00 às 12:00 h
Cidade Tiradentes
CEU Água Azul - Av. Dos Metalúrgicos n°1262
9:00 às 12:00 h
Ermelino Matarazzo
Auditório do Hospital Professor Dr. Alípio Correa Neto (Ermelino Matarazzo) - Alameda  Rodrigo de Brum  n. 1989.
9:00 às 12:00 h
Itaim Paulista
Auditório da subprefeitura de Itaim Paulista - Avenida Marechal Tito, nº 3012 – Jd Miragaia
9:00 às 12:00 h
Perus
CEU Perus – Rua Bernardo José Lorena s/n
14:00 às 17:00 h
Itaquera
Auditório da Subprefeitura de Itaquera - Rua Augusto Carlos Bauman, n. 851
14:00 às 17:00 h
Jaçanã/Tremembé
Auditório do Hospital Geriátrico - Avenida Luis Stamatis, n. 103 - portão 02 - Jaçanã
14:00 às 17:00 h
Guaianases
CEU Lajeado – Rua Manuel da Mota Coutinho, n. 293.
14:00 às 17:00 h
Vila Maria/Vila Guilherme
Auditório da Sub V.Maria/V.Guilherme - Rua  General Mendes,111
14:00 às 17:00 h
São Mateus
Auditório da Subprefeitura de São Mateus - Rua Ragueb Chofhi, n. 1400
14:00 às 17:00 h
São Miguel Paulista
Auditório da Subprefeitura de São Miguel - Rua Dona Ana Flora Pinheiro de Souza, n.76
14:00 às 17:00 h
Pirituba/Jaraguá
Auditório da Subprefeitura Pirituba/ Jaraguá - Rua Luiz Carneiro, n. 193 – 3º andar

DATA: 25 de julho de 2015 (sábado)
HORÁRIO
SUBPREFEITURA
LOCAL DA AUDIÊNCIA PÚBLICA
9:00 às 12:00 h
Butantã
C.E.U. BUTANTÃ- Av Eng. Antonio Heitor Eiras Garcia, 1 700
9:00 às 12:00 h
Jabaquara
Associação Cultural Assistencial Nipo Brasileira (AJAB), localizada à Rua das Nhandirobas, 388 – Jabaquara - São Paulo
9:00 às 12:00 h
Santo Amaro
Auditório da Subprefeitura de Santo Amaro - Praça Floriano Peixoto, n. 54, 1º andar
9:00 às 12:00 h
Vila Mariana
Auditório do Colégio Santa Amália - Avenida Jabaquara, n. 1673
9:00 às 12:00 h
Campo Limpo
Universidade  Anhanguera (antiga Uniban) - Estrada do Campo Limpo, n. 3677.
9:00 às 12:00 h
Capela do Socorro
CEU Vila Rubi - Endereço:  Rua Domingos Tarroso nº 101 CEP 04823-090 – Vila Rubi
9:00 às 12:00 h
Freguesia do Ó/Brasilândia
Auditório da subprefeitura Freguesia do Ó/Brasilândia -Avenida João Marcelino Branco, n. 95, Vila Nova Cachoeirinha
14:00 às 17:00 h
Lapa
Auditório da Subprefeitura da Lapa -  Rua Guaicurus, n. 1000, Sede
14:00 às 17:00 h
Mooca
Auditório do Sesc Belenzinho – Avenida Álvaro Ramos, 991
14:00 às 17:00 h
Pinheiros
Auditório Chico Mendes - Av. Frederico Hermann Jr., n. 595
14:00 às 17:00 h
Cidade Ademar
Salão de eventos da subprefeitura Cidade Ademar - Av. Yervant Kissajikian,  n. 416
14:00 às 17:00 h
M Boi Mirim
Auditório da subprefeitura M’ Boi Mirim -Avenida Guarapiranga, n.1695
14:00 às 17:00 h
Parelheiros
Auditório da Subprefeitura de  Parelheiros - Avenida Sadamu Inoue, n.5252
14:00 às 17:00 h
Vila Prudente
Auditório da Subprefeitura de Vila Prudente – Avenida do Oratório, n. 172 – Jd. Independência
14:00 às 17:00 h
Ipiranga
Auditório da subprefeitura de Ipiranga - Rua Lino Coutinho, n. 444
14:00 às 17:00 h
Sapopemba
CEU Sapopemba – Rua Victória Marconato Zonta s/n,  Jardim Sapopemba

terça-feira, 7 de julho de 2015

Tecendo Saberes espalha sabedoria e imaginário das crianças do Norte pelas bibliotecas de São Paulo



Com contação de histórias, bate-papo, projeção de vídeos e exposição,  eventos gratuitos são voltados a meninos
 e meninas de 6 a 12 anos, pais e educadores; projeto é patrocinado pelo Programa Petrobras Cultural

Elas entram na mata, sobem nas árvores e usam o facão para cortar e desfiar folhas e talos com os quais fazem seus brinquedos. Sabem dos hábitos de cada peixe e o melhor jeito para pescá-los, fazem tinta de urucum para se enfeitar e colhem na floresta as plantas que curam.

Conhecimentos e curiosidades como essas fazem parte de um evento gratuito para quem quer sair da rotina nestas férias. Com contação de histórias, vídeos e bate-papo, o Projeto Tecendo Saberes vai mostrar os saberes e fazeres, brincadeiras e histórias de crianças quilombolas e indígenas da região amazônica no dia 11 de julho, às 14h30, na Biblioteca Monteiro Lobato, no centro de São Paulo.

Interagindo com projeções de fotoilustrações criadas pela artista e palestrante Marie Ange Bordas em parceria com crianças de cinco comunidades do Pará e uma do Acre, as contadoras de histórias Juliana Offenbecker e Priscila Harder, da Cia. Conto em Cantos, brincam de misturar causos, situações do dia a dia e encantamentos com instrumentos e objetos trazidos do Norte do país.. Direcionada a crianças de 6 a 12 anos, a apresentação terá duração de 30 minutos.

Num bate-papo seguido de projeção de vídeos, a idealizadora do projeto, Marie Ange Bordas, a jornalista especializada em infância Gabriela Romeu e a editora de obras infantojuvenis Dolores Prades explicam a dinâmica colaborativa utilizada na construção dos livros “Manual das Crianças do Baixo Amazonas", feito no Pará, e do "Manual das Crianças Huni Kuĩ”, da Terra Indígena Kaxinawa do Rio Humaitá, no Acre. Crianças e jovens foram estimulados a listar, desenhar, fotografar e filmar seus próprios saberes e fazeres e também interagir com os mais velhos em rodas de histórias, cantorias, caminhadas e entrevistas, num processo de repertoriar conhecimentos e criar conteúdo.

“Nosso objetivo é difundir a cultura dessas comunidades tradicionais brasileiras por meio da valorização dos conhecimentos de suas crianças, a partir da criação de livros, vídeos e material didático nos quais elas sejam não apenas personagens, mas protagonistas de sua própria história. Ao fomentar esse diálogo, buscamos contribuir com a formação de jovens cidadãos mais críticos e conscientes de seu valor”, afirma Marie Ange sobre o projeto, que tem patrocínio do Programa Petrobras Cultural e foi realizado em parceria com o Instituto Catitu.

O evento Tecendo Saberes das Crianças do Norte continua nos dias 21 e 25 de julho em outras regiões de São Paulo. Nas bibliotecas municipais Hans Christian Andersen, na zona leste, e  Belmonte, na zona sul, ele ganha uma exposição fotográfica com fotos, desenhos, ilustrações e textos que fica em cartaz até 21 de agosto. O material compilado está disponível no site www.tecendosaberes.com.


SERVIÇO

Tecendo Saberes das Crianças do Norte (centro)
O quê: contação de histórias, projeção de vídeos, lanche com iguarias do Norte e bate-papo com a artista Marie Ange Bordas, a jornalista Gabriela Romeu e a editora Dolores Prades
Onde: Biblioteca Monteiro Lobato, à rua General Jardim, 485, Vila Buarque, São Paulo, SP
Quando: 11 de julho (sábado)
Horário: das 14h30 às 16h30
Quanto: gratuito

Tecendo Saberes das Crianças do Norte (zona leste)
O quê: contação de histórias, projeção de vídeos e exposição de fotos, desenhos, fotoilustrações e textos
Onde: Biblioteca Hans Christian Andersen, à avenida Celso Garcia, 4.142, Tatuapé, São Paulo, SP
Quando: 21 de julho (terça-feira); exposição até 21 de agosto
Horário: 10h
Quanto: gratuito

Tecendo Saberes das Crianças do Norte (zona sul)
O quê: contação de histórias, projeção de vídeos e exposição de fotos, desenhos, fotoilustrações e textos
Onde: Biblioteca Belmonte, à rua Paulo Eiró, 525, Santo Amaro, São Paulo, SP
Quando: 25 de julho (sábado); exposição até 21 de agosto
Horário: 11h
Quanto: gratuito

Biblioteca Mário de Andrade traz especialistas estrangeiros para Seminário de História da Arte



Victor Stoichita abre o encontro internacional, que acontece de 21 a 23 de julho, e faz parte das comemorações de
90 anos da biblioteca; Wim Pijbes, diretor do Rijksmuseum, e Eric de Chassey, da Academia Francesa, estão entre os convidados

Como parte das comemorações de seu 90º aniversário, a Biblioteca Mário de Andrade realiza de 21 a 23 de julho um evento gratuito dedicado à história da arte.

Além de incentivar a reflexão, o Seminário Internacional de História da Arte Sérgio Milliet resgata a vocação da Biblioteca Mário de Andrade de se dedicar às artes plásticas, uma vez que ela foi o primeiro local na cidade de São Paulo a formar uma coleção pública de arte e a manter um acervo bibliográfico sobre o tema.

O Seminário contará com a participação de historiadores e pesquisadores brasileiros e estrangeiros. O objetivo é promover uma discussão ampla sobre o status da história da arte na atualidade, abordando assuntos como a multiplicação de escolas artísticas, o relacionamento das instituições públicas e privadas detentoras de acervos com o público e a arte diante das narrativas contemporâneas.  

Destaques da Programação – defensor de uma leitura antropológica da imagem, o romeno Victor Stoichita, professor de história da arte moderna e contemporânea da Universidade de Freiburg, Suíça, abre o encontro no dia 21.07, falando sobre ficção pictorial e fronteiras estéticas. Autor de livros de referência, a exemplo de “Como saborear um quadro”, Stoichita é considerado um dos principais teóricos modernos da história da arte.

Após a palestra de abertura, o Seminário promove uma mesa com o holandês Wim Pijbes, diretor do Rijksmuseum e responsável pela reforma e abertura do museu em 2013, seguido do português José Monterroso Teixeira, ex-diretor do Museu de Évora e do Centro de Exposições do Centro Cultural de Belém (Portugal).

No dia 22.07, entre as atrações, destaque para a espanhola Anna Maria Coderch, que apresenta a obra de Goya. Outra convidada estrangeira a falar nessa data é a professora argentina Silvia Dolinko, que comenta a produção em gravura feita em seu país. Ainda no segundo dia de Seminário, o ex-curador do Masp e professor da Unicamp Luiz Marques fala sobre a polêmica das cópias e falsificações.
  
O francês Eric de Chassey, diretor da Academia Francesa, participa da programação do último dia de evento, 23.07, com a provocação “Como vamos começar a escrever a história da arte mundial?”.

Serviço
Seminário Internacional de História da Arte Sérgio Milliet
Data: de 21 a 23 de julho
Local: Biblioteca Mário de Andrade
Endereço: Rua da Consolação, 94, centro
(Metrôs Anhangabaú – República)  
Telefone: (11) 3775-0002
Grátis

Programação

Dia 21.07, terça-feira

18h – Abertura “O Efeito Don Quixote: ficção pictorial e fronteiras estéticas”, com Victor Stoichita

19h30 – Mesa I: A memória em foco

O novo Rijksmuseum: velhos mestres para um novo público!”, com Wim Pijbes

“Utopia e monumentalidade. Celebração, propaganda e discurso arquitetônico”, com José Monterroso Teixeira

21h30 – Debate

Dia 22, quarta-feira

10h – Mesa II: Persona e Representação

“O Riso de Goya”, com Anna Maria Coderch

“Triunfo e infâmia: o falseamento da vida de Antônio Francisco Lisboa, "o Aleijadinho", com Luiz Armando Bagolin

12h – Debate

15h – Mesa III: Original e Cópia

“Modelos, cópias e falsos”, com Luiz Marques
“Original múltiplo: definições e tensões sobre a gravura na Argentina”, com Silvia Dolinko

17h – Debate

Dia 23, quinta-feira

10h – Mesa IV: Cultura visual e narrativa

“Historiografia da arte e cultura visual: diálogos e embates”, com Maria Lúcia Bastos Kern

“Imagens plásticas e narrativas literárias: cientificismo e arte no Brasil no final do século XIX”, com José Leonardo do Nascimento

12h – Debate

15h – Mesa V:  Museu imaginário e reprodutividade

“Um museu imaginário no pós-guerra: o programa de exposições da Seção de Arte da Biblioteca Municipal de São Paulo (1945-1960)”, com Helouise Costa

“Montagem, fotografia, espelho: Waldemar Cordeiro depois do concretismo”, com Annateresa Fabris.

17h – Debate

19h – Mesa VI: Novas propostas para História da Arte
“Como vamos começar a escrever a história da arte mundial? O exemplo da abstração no imediato segundo pós-guerra”, com Éric de Chassey

“História da arte hoje: conexões entre arquivos de artistas e de historiadores”, com Mônica Zielinsky

21h – Debate

segunda-feira, 6 de julho de 2015

CEU PQ BRISTOL - PROGRAMACAO DE 11/07 E 12/07

 


“Esta mensagem, incluindo seus anexos, é confidencial e seu conteúdo é restrito ao destinatário da mensagem. Caso você a tenha recebido por engano, queira, por favor, retorná-la ao destinatário e apagá-la de seus arquivos. É expressamente proibido o uso não autorizado, replicação ou disseminação da mesma. As opiniões contidas nesta mensagem e seus anexos não necessariamente refletem a opinião do órgão emissor”.