quarta-feira, 27 de abril de 2016

Territórios Resilientes em Economia Solidária


Livro é lançado na Unesp de Rio Claro
[26/04/2016]
A Universidade Estadual Paulista (UNESP), Câmpus de Rio Claro, lança, dia 28 de abril, o livro “Territórios Resilientes em Economia Solidária: Movimentos Sociais e Alternativas Sustentáveis”, organizado pelos professores Auro Aparecido Mendes, Silvia Aparecida Guarnieri Ortigoza e Ana Tereza Caceres Cortez, docentes do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências e Ciências Exatas (IGCE).
A cerimônia de lançamento será realizada às 19h30 no Anfiteatro do Departamento de Geografia que fica no câmpus da universidade no bairro Bela Vista. A obra é fruto de um trabalho coletivo envolvendo professores e alunos, por meio do Laboratório de Estudos Territoriais (LAET), e técnicos da Prefeitura de Rio Claro, através da Secretaria Municipal de Assistência Social e do Programa Municipal de Economia Solidária.
O livro apresenta as pesquisas mais recentes sobre Economia Solidária (Ecosol) e mostra as conquistas de Rio Claro no setor.  A obra é dividida em quatro partes. A primeira analisa a Economia Solidária no contexto de uma economia plural, das reestruturações produtivas e dos avanços tecnológicos. A segunda parte, “Por uma economia solidária cada vez mais sólida”, aborda a Ecosol frente a crise brasileira.
A “Economia Solidária em Territórios Resilientes” é o foco da terceira seção da obra que discute o papel das contribuições teóricas sobre o território para a compreensão da Economia Solidária e do desenvolvimento territorial. Na quarta e última parte, intitulada “Economia Solidária nos Territórios Resilientes em Rio Claro”, os organizadores identificam e caracterizam os territórios resilientes no município e as práticas em economia solidária desenvolvidas nesses locais.
Esse é o segundo livro sobre Economia Solidária que será lançado pelos pesquisadores. Em 2013 foi lançada a obra “Desfazendo os Nós do Capital: território, ação social e economia solidária”, que marca a trajetória de Rio Claro na área de Economia Solidária e traz reflexões sobre as práticas solidárias e subsídios para a implantação de políticas públicas nessa área.
O Programa de Economia Solidária de Rio Claro é uma iniciativa de sucesso no município. A experiência do município em Ecosol atravessou fronteiras e ganhou destaque internacional. Em julho do ano passado, as professoras Ana Tereza e Silvia apresentaram os resultados parciais das pesquisas em andamento no II Congresso Internacional SETED-ANTE “Seminário Estado, Território e Desenvolvemento”, realizado na Universidade de Santiago de Compostela, na Espanha. Em 2013, o projeto foi apresentado, pelo Prof. Dr. Auro Mendes, no I Encontro Internacional de Economia Solidária realizado pela Universidade Lusófona em Lisboa, Portugal.
O Centro Público de Economia Solidária de Rio Claro funciona na Rua 10, número 2.527, esquina com a Avenida 30, no bairro Santana. O telefone é (19) 3524-3054.
Edneia Silva

sábado, 16 de abril de 2016

ANTI-COMICS: DESCONSTRUINDO SUPER HERÓIS


Conheçam  o espetáculo ANTI-COMICS: DESCONSTRUINDO SUPER HERÓIS, em cartaz de 02 de abril a 01 de maio de 2016, sábados às 21h 30min e domingo às 20h, no Teatro Commune, Rua da Consolação, 1218ao lado do TRT (estac. lado).
O espetáculo é uma paródia dos super- heróis que questiona seus superpoderes em situações de vulnerabilidade. “O Evangelho segundo o Super-homem", "A Vida Sexual dos Morcegos" e "A Festa do Pijama", da premiada escritora argentina Sonia Daniel com direção de Augusto Marin, no elenco: João Borbonnais como Batman, Taubaté Lisboa como Robin, Imara Reis como A Mulher Maravilha e Jorge Julião como Superman. 
Batman cometeu um crime e está exilado no Capão Redondo, Robin aparece vestido de Homem Aranha e faz um show numa boate gay; a mulher Maravilha, em crise, acaba de ser presa por prostituição; o Superman vive em crise, tem dois pais judeus e nenhuma mãe!
Cena DA PEÇA - de quase beijo entre Batman e Robin

CENA DA PEÇA - Mulher Maravilha revela que todos seus amigos são drogados, inclusive a Mulher Gato
Ingressos R$ 25,00 com apresentação do flyer anexo e R$ 15,00 (meia)
O espetáculo nasceu de uma coprodução, viabilizada pelo INSTITUTO IBERESCENA (Espanha), do Coletivo Teatral Communede São Paulo, com o Centro Cultural Maria Castanã, de Córdoba, Argentina.

terça-feira, 5 de abril de 2016

“Humor em Doses”




Intervenções de artes cênicas, oficinas e espetáculos teatrais, assim é o projeto “Humor em Doses”. Desenvolvido pelo Grupo Komedi e patrocinado pela Akzo Nobel, o projeto leva arte, conscientização e entretenimento para diversas instituições, escolas e hospitais de São Paulo e Jundiaí. As escolas receberão o espetáculo e as oficinas, já as intervenções serão realizadas em hospitais, levando alegria e humor aos pacientes e ajudando na sua recuperação. Recepções e corredores viram um grande palco, com os artistas apresentando divertidas esquetes, números circenses e paródias musicais.

Os alunos das escolas poderão dar boas risadas com as trapalhadas e as paródias apresentadas no espetáculo teatral. Cinco divertidos palhaços dão vida aos personagens dessa lúdica peça, que coloca em cena temas relacionado à saúde, como Automedicação, DST, higiene pessoal e gravidez na adolescência. A cada encenação, uma paródia é cantada, todas inspiradas em canções populares. Números circenses completam a diversão dos presentes, com os artistas fazendo malabarismo e mágicas com vidros de remédios e seringas. Após o espetáculo acontece a ação complementar, integrando o público por meio de jogos rítmicos e percussão corporal.  As oficinas de dança e música estimulam a criação de uma paródia pelo grupo, além de criar uma divertida coreografia que será apresentada pelos participantes.


FICHA TECNICA
Elenco: Companhia Luar ao Avesso
Direção Geral e Musical: Raul Figueiredo
Produção: Incentivar Fomento
Apoio: Komedi Projetos.

SERVIÇO

Data: 05 de abril
Sessão: 10h e 13h30
APM da E.E. Profª Deolinda Copelli de Souza Lima - Rua Jussara, 140 - Vila Nambi

Data: 25 de abril
Sessão: 13h30 e 16h
Escola Estadual Cel. Siqueira Moraes - Rua 23 de maio, 541 - Bairro Vianelo

Em show inédito, Alexandre Nero revisita canções que marcaram sua carreira musical


Alexandre Nero mostra sua vertente musical no show Bricabraque dias 11 e 12 de abril, segunda e terça, às 21h, no Teatro Porto Seguro. Em tom leve e intimista, o ator, cantor e compositor curitibano constrói uma grande brincadeira com o público, permeada por músicas bem-humoradas. 
Bricabraque, título que intenta remeter a ³bugigangas, mercado de pulgas, brechó, ferro-velho, antiguidades...² casa com o repertório, uma seleção das principais músicas gravadas em seus CDs (são 8 em sua discografia), em especial, no último, Vendo amor - em suas mais variadas formas, tamanhos e posições e no DVD Revendo amor - com pouco uso quase na caixa

³Considero esse show como uma espécie de final da trilogia da qual fazem parte o CD e o DVD. São aquelas coisas antigas, miudezas que estão cheias de poeira ­ algumas são obras de arte, outras desimportantes. Objetos pelos quais a gente tem carinho e coloca para vender ou para trocar, como em um brechó ou uma loja de antiguidades. Essa é a brincadeira do Bricabraque, tirar a poeira de coisas que ficaram guardadas. A gente parte da estética do CD e do DVD, mas só que num formato mais intimista², conta o artista.

Nero divide o palco com Fabio Cardoso (piano) e Val Ofílio (percussão), e toca instrumentos como viola caipira, violão, cavaquinho e uquelele. O roteiro tem canções autorais como Vendo a vista,PaixoniteLave leve love e Cadê meu jardim?; algumas parcerias como Domingos (Alexandre Nero/Domingos Oliveira), Saia (Alexandre Nero/Thiago Chaves) e Hilário (Alexandre Nero/Luiz Felipe Leprevost), além de releituras para A banda (Chico Buarque de Holanda), Acho (Carlos Careqa) e Não aprendi dizer adeus (Joel Marques).

Para Nero a participação da plateia é fundamental. ³O público é o principal responsável pelo espetáculo que assiste, seja uma peça de teatro ou um show de música. A interação comigo, a energia que vem dali é muito importante. Nessa relação não existe eu falando e eles ouvindo, mas sim uma troca entre nós. Essa é a grande maravilha do teatro, estar ali ao vivo, diante de plateia.²

Carreira na música, TV e cinema
Alexandre Neroé ator, compositormúsico, cantor e diretor musical. Como músico e ator, acumula 50 trabalhos em espetáculos de música, teatro, cinema, TV e dança. É o idealizador e criador da Associação dos Compositores da Cidade de Curitiba, fundada em 1994. Foi integrante do Grupo Fato, de 1997 a 2007.

Nero foi também um dos vocalistas do grupo Denorex 80, onde se apresentava em turnês mensais interpretando os maiores sucessos dos anos 80. Em 2008, esteve à frente da bandaMaquinaíma, grupo de grande sucesso no cenário musical curitibano. No mesmo ano, foi contratado pela Rede Globo.

Em 2010, enquanto esteve no ar com a novela Escrito nas estrelas, gravou o CD Vendo amor e o lançou em 2011. Em 2013, estreou o DVD Revendo amor, gravado em Curitiba, entre o intervalo das telenovelas Fina estampa e Salve Jorge.

ator ganhou repercussão nacional, em 2008, ao interpretar o verdureiro analfabeto Vanderlei em A favorita. Ganhou prestígio e reconhecimento em 2009, no remake da novela Paraíso, na qual interpretava o braço direito de Zeca, vivido por Eriberto Leão.

Em 2010, na novela Escrito nas estrelas, o ator se destacou na pele de Gilmar, o sarcástico e cruel vilão da trama. Em 2011, viu sua popularidade crescer ainda mais no papel do homofóbico motorista Baltazar da novela Fina estampa. Em 2013, voltou a viver Baltazar no cinema, no longa Crô.

Escolha pessoal do novelista Agnaldo Silva, Alexandre Nero viveu seu primeiro protagonista, o Comendador José Alfredo Medeiros, em Império (2013/2014), novela das 21h da TV Globo. Em 2015, o personagem Romero Romulo, seu segundo protagonista, na novela A regra do jogo, deu a Alexandre Nero o reconhecimento da APCA (Associação Paulista e Críticos e Arte), que lhe atribuiu o prêmio de Melhor ator de TV do ano.

Serviço:
ALEXANDRE NERO no show Bricabraque.
Dias 11 e 12 de abril, segunda e terça-feira, às 21h.
Ingressos: R$ 150,00 plateia / Frisas R$ 100,00 / R$ 80,00 balcão.
Classificação: 12 anos.
Duração: 90 minutos.

TEATRO PORTO SEGURO
Al. Barão de Piracicaba, 740 ­ Campos Elíseos ­ São Paulo.
Telefone (11) 3226.7300.
Bilheteria:Terça a sábado, das 13h às 21h e domingos, das 12h às 19h.
Capacidade: 508 lugares.
Clientes Porto Seguro têm 50% de desconto na compra de 1 ingresso + acompanhante.
Formas de pagamento: Todos os cartões de crédito e débito.
Acessibilidade:10 lugares para cadeirantes e 5 cadeiras para obesos.
Estacionamento no local: Estapar R$ 20,00 (self parking) ­ Clientes Porto Seguro têm 50% de desconto.
Serviço de Vans: TRANSPORTE GRATUITO ESTAÇÃO LUZ ­ TEATRO PORTO SEGURO ­ ESTAÇÃO LUZ. O Teatro Porto Seguro oferece vans gratuitas da Estação Luz até as dependências do Teatro. COMO PEGAR: Na Estação Luz, na saída Rua José Paulino/ Praça da Luz/Pinacoteca, vans personalizadas passam em frente ao local indicado para pegar os espectadores. Para mais informações, contate a equipe do Teatro Porto Seguro.
Happy HourRestaurante Gemma ­ quartas, quintas e sextas das 17h às 21h.

segunda-feira, 4 de abril de 2016

UFSCar veicula programa especial sobre doenças relacionadas ao Aedes aegypti


Programa Sapiência vai ao ar no dia 6 de abril, às 11 horas, pela Rádio UFSCar, e aborda sintomas, tratamento e controle epidemiológico das doenças

No dia 6 de abril, o Programa Sapiência, uma parceria entre a Rádio UFSCar e a Coordenadoria de Comunicação Social (CCS) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), veicula uma edição especial sobre o mosquito Aedes aegypti e às doenças a ele associadas – dengue, chikungunya, zika e febre amarela. Em entrevista às jornalistas Gisele Bicaletto e Adriana Arruda, da CCS, os professores da UFSCar Bernardino Alves Souto, do Departamento de Medicina (DMed) da UFSCar, e Larissa Riani, do Departamento de Fisioterapia (DFisio) também da Universidade, falam sobre ações efetivas de combate ao Aedes aegypti e como adquirir um controle epidemiológico.
Ao longo da edição, os docentes citam as sutis diferenças de sintomas entre as quatro doenças e como agir quando eles aparecem. Eles ressaltam que não há tratamento para as quatro doenças, mas sim um tratamento dos sintomas. "Geralmente, quando a pessoa começa a achar que está melhorando de doenças como dengue e febre amarela, é o momento em que ela pode apresentar as complicações – sangramento ou queda de pressão arterial, por exemplo. Por isso, o momento de maior atenção passa a ser justamente depois dos primeiros dias de sintomas. Logo no primeiro dia que a pessoa achar que está melhorando, é imprescindível que ela tome ainda mais cuidado e continue acompanhando o caso", alerta Bernardino.
Outro ponto debatido no Sapiência Especial diz respeito ao cuidado com a proliferação do mosquito de acordo com as épocas do ano. Embora as campanhas sejam mais intensas no verão, Bernardino ressalta que o cuidado tem que ser permanente. "Há algumas questões além das sazonais. As distribuições de água, esgoto e lixo não dependem das estações do ano, acontecem o todo tempo e tem total relação com as doenças transmitidas pelo Aedes aegypti", explica o docente. É fato que o mosquito se desenvolve melhor em temperaturas entre 5ºC e 32ºC e em regiões com grande quantidade de umidade. "No entanto, se ainda assim tivermos todas essas condições, mas se houver uma coleta de lixo adequada e se não existir criadouro do mosquito por todos os lados, a proliferação será controlada. Nós temos a capacidade de fazer uma gestão sobre isso e amenizar o problema", esclarece Bernardino. Na ocasião, os docentes informam sobre as principais medidas de combate ao mosquito e quais não são consideradas adequadas – embora ainda sejam utilizadas no Brasil, mesmo com pouca eficácia. O Sapiência fala ainda sobre os cuidados que pessoas que já possuem outras doenças de base – como diabetes, pressão alta e doenças do coração – devem tomar, tendo em vista que é um público mais suscetível.
Também é abordado o preparo da rede pública para lidar com diagnóstico e tratamento dessas doenças. "De maneira geral, nenhum sistema de saúde no mundo está suficientemente pronto para receber uma epidemia como essa que estamos enfrentando. Algumas são doenças relativamente novas, como a zika, o que traz mais dúvidas para os pesquisadores. Por isso, existe ainda um tempo até que se consiga uma capacitação adequada dos profissionais", alerta a professora Larissa. No âmbito da rede pública, a docente afirma que País está caminhando para o fortalecimento da atenção primária, o que traz uma capacidade de resposta muito mais forte. "No entanto, temos um problema de financiamento crônico. Além disso, faltam materiais e condições de recursos humanos para que as pessoas consigam trabalhar. Estamos cada vez mais avançando no conhecimento, mas ainda não estamos prontos para enfrentar epidemias adequadamente. É necessário que todos os profissionais da sociedade – não apenas médicos ou enfermeiros – se envolvam na causa", opina a professora.
Os assuntos relacionados às doenças transmitidas pelo Aedes aegypti são complementados no segundo programa Sapiência Especial, que vai ao ar no dia 13 de abril e aborda especificamente os temas "Microcefalia e Síndrome de Guillain Barré causadas por Zika". Os convidados deste programa são os professores Débora Gusmão Melo, do DMed, e Thiago Russo, do DFisio, e Gardenia Barbosa, pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da UFSCar. 
Estas duas edições especiais acontecem no âmbito da Campanha "UFSCar contra Aedes", que faz parte de um esforço nacional de combate ao Aedes aegypti. O projeto tem ações em curto, médio e longo prazos em diferentes frentes, envolvendo desde as orientações para combate aos criadouros do mosquito até a produção e o compartilhamento de conhecimento científico relacionado ao mosquito e às doenças. Ao todo, foram formados cinco comitês que atuam de forma conjunta em cinco diferentes áreas. São eles: comitê científico; ações internas; ações externas; comunicação e difusão; e sistemas de informação em saúde. Mais informações sobre a Campanha podem ser conferidas em www.combateaedes.ufscar.br.

Sobre o Sapiência
O programa Sapiência é uma realização da CCS/UFSCar em parceria com a Rádio UFSCar. Voltado à divulgação científica, pretende trazer aos ouvintes informações acessíveis sobre as pesquisas desenvolvidas nos Centros Acadêmicos dos quatro campi da UFSCar – São Carlos, Araras, Sorocaba e Lagoa do Sino – e suas aplicações no dia a dia. A atração também aborda atividades de ensino e extensão – algumas, inclusive, abertas às comunidades interna e externa – com o intuito de mostrar a produção do conhecimento dentro da Universidade. Os programas são veiculados semanalmente às quartas-feiras, às 11 horas, pela Rádio UFSCar. Também é possível ouvir os programas já transmitidos pelo site da CCS, em www.ccs.ufscar.br/sapiencia.