quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

GAY TALESE NO RODA VIVA

(Segunda-feira, 04 de janeiro de 2010 às 22h00)
 
* Edição GRAVADA. Não aceita perguntas.
Gay Talese
Jornalista e escritor

Há mais de 50 anos Gay Talese vive entre o jornalismo e a literatura. Ele foi responsável pela mais famosa reportagem sobre Frank Sinatra sem ter conseguido entrevistá-lo. Como o cantor estava gripado e não queria falar com jornalistas, Talese procurou outros personagens do cotidiano dele e revelou o mundo de Sinatra de uma forma que dificilmente conseguiria sem ter o pedido de entrevista recusado.

Gay Talese é um dos responsáveis por criar o estilo de fazer reportagens combinando técnicas jornalísticas com recursos literários. Ele trabalhou em jornais e revistas escrevendo reportagens como se fossem textos literários e livros e uma autobiografia como se fossem reportagens.

O trabalho de Talese virou uma das marcas do novo jornalismo surgido nos Estados Unidos na década de 60 e o transformou em um dos maiores expoentes do movimento que teve também grandes nomes como Norman Mailer, Tom Wolfe e Truman Capote, entre outros.

Participam como convidados entrevistadores:
Carlos Eduardo Lins da Silva, ombudsman do jornal Folha de S. Paulo; Regina Echeverria, jornalista; Humberto Werneck, jornalista e escritor; Caio Túlio Costa, jornalista e professor de jornalismo na Cásper Líbero e consultor de novas mídias.
Twitters no estúdio: Rosana Hermann, jornalista (http://twitter.com/rosana); Jeanne Callegari, jornalista e escritora (http://twitter.com/jeannecallegari) e Ana Rusche, escritora (http://twitter.com/anarusche)
Fotógrafo convidado: Natalie Gunji, fotógrafa (www.flickr.com/photos/nat_gunji)

Apresentação: Paulo Markun

O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h10.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www2.tvcultura.com.br/rodaviva
 
Encaminhado por Nair Lúcia de Britto


Chegou Windows 7. Agora com exibição de redes sem fio. Conheça.

terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Curta Petrobras às seis - Nova Seleção

CURTA PETROBRAS ÀS SEIS

Nova seleção do projeto estréia dia 08 de janeiro em Santos

 

 

As cidades de São Paulo, Santos, Rio de Janeiro, Juiz de Fora e Palmas (TO) recebem uma programação extra do projeto CURTA PETROBRAS ÀS SEIS, a partir dia 08 de janeiro, próxima sexta-feira. Neste novo ciclo, 5 programas serão apresentados ao público, diariamente e com entrada franca, até o dia 02 de março de 2010.

 

O Curta Petrobras às Seis teve início em 1999, em apenas uma sala em São Paulo. Hoje, o projeto tem exibições em Aracaju, Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Guarulhos, Juiz de Fora, Natal, Niterói, Porto Alegre, Recife, Campinas, Rio de Janeiro, Salvador, Santos, São Paulo e Vitória. Curta Petrobras às Seis é uma iniciativa do Circuito Espaço de Cinema, em São Paulo, com patrocínio da Petrobras através da Lei Rouanet.

 

Abaixo segue a programação para o período de 08/01 a 02/02/2010, em Santos.

 

Para receber imagens de divulgação ou agendar entrevistas, favor entrar em contato pelo e-mail jamille@procultura.com.br ou pelo telefone 11 3263-0197.

 

Programação de 08 de janeiro a 02 de fevereiro de 2010

Entrada gratuita

Classificação indicativa: 16 anos

www.curtaseis.com.br

 

Espaço Unibanco Miramar

Miramar Shopping Center

Av. Marechal Floriano Peixoto, 44 - Gonzaga

Santos / SP

 

Programa: Projeção

 

 

O Brilho dos Meus Olhos, de Allan Ribeiro.

RJ, 2006, 11 min, cor e P&B.

Ficção: Em busca de um momento prodigioso, para que faça algum sentido continuar vivendo.

 

O Presidente dos Estados Unidos, de Camilo Cavalcante.

PE, 2007, 23 min, cor.

Ficção: 2003. Pela TV, George Bush declara guerra ao Iraque. No Curado IV, Carlinhos declara guerra a Teresinha. Seria cômico se não fosse trágico.

 

Super-Herói Fora de Série, de Ale McHaddo e Paulo de Tarso Mendonça "Disca".

SP, 2006, 20 min, cor.

Ficção: Um jovem "nerd" fã de quadrinhos não está contente com sua vida. Inspirado nos personagens que lê, decide criar uma identidade secreta.

 

Informações com Jamille Menezes jamille@procultura.com.br, tel. 11.3263.0197

 

Encaminhado por Nair Lúcia de Britto 



Quer conexões de rede mais fácil? Clique e conheça o Windows 7.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

Eduardo Kobra inicia obras em 3D em São Paulo, Rio e Brasília, para receber o ano novo

            O grafiteiro, muralista e artista plástico Eduardo Kobra inicia hoje três obras simultâneas, todas em 3D, em três grandes cidades brasileiras, que são homenagens à chegada de 2010.  Em São Paulo, Kobra e sua equipe (Studio Kobra) fazem um desenho do Rei Pelé, baseado em uma belíssima caricatura feita por Camaleão. A obra, de 3mX20m, será feita na Av. Paulista (altura do número 900, no sentido de quem vai do Paraíso para a av. Consolação). No Rio de Janeiro, Kobra e equipe fazem uma piscina, de 6mX20m, em Copacabana, próximo ao Othon Hotel. Já em Brasília, em 9mX27m, serão desenhados vários prédios históricos e marcos da cidade, na Esplanada dos Ministérios, em frente ao Museu Nacional. Os trabalhos começam a ser feitos hoje, dia 23, e terminam no dia 31 de dezembro. A entrega das obras para as cidades acontecem de 1 a 3 de janeiro de 2010. Em cada cidade uma equipe de quatro artistas do Studio Kobra desenvolve o trabalho (sempre das 9h às 20h). Eduardo Kobra percorre as três cidades, coordenando todas as obras. O projeto das obras em 3D em São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília tem o patrocínio do Banco do Brasil.

Eduardo Kobra diz ainda que fará todas as obra em Giz e Airbrush, que não danificam o patrimônio público. Tem durabilidade de cerca de um mês, já que são apagados pelas chuvas. Kobra ressalta ainda que as pessoas que forem conhecer a arte em 3D, que as obras só poderão ser vistas e percebidas de um determinado ponto, na perspectiva proposta pelo artista.  

Kobra diz que em São Paulo a escolha do futebol como tema foi porque em 2010 será disputada a Copa do Mundo da África do Sul e, ainda, porque o Rei do Futebol, apensar de mineiro, construiu grande parte da sua trajetória em uma equipe do estado de São Paulo, o Santos. "O Pelé viu e aprovou o trabalho", diz Kobra cheio de orgulho. De acordo com o artista, no Rio a piscina "é uma referência à conquista dos Jogos Olímpicos de 2016 pela Cidade Maravilhosa e, ainda, uma homenagem ao Cesar Cielo, nosso esportista que tem batido grandes recordes" nas piscinas. "Em Brasília o trabalho pretende fazer uma grande homenagem aos 50 anos de sua fundação, que acontece em 2010", explica Eduardo Kobra.

O grafiteiro e muralista Eduardo Kobra fez em junho de 2009 a primeira obra em 3D em uma calçada em São Paulo. O palco ou a tela é um ponto nobre da cidade: a Praça Patriarca, em frente ao Viaduto do Chá, no centro histórico de São Paulo. Kobra pintou um carro antigo, resgatando um cenário do local.

            Kobra se apaixonou em 2007 pela misteriosa técnica da pintura em 3D, também conhecida como "anamórfica" ou "ilusionística". Durante dois anos estudou a técnica intensamente, especialmente os trabalhos do norte-americano o Kurt Wenner e do inglês Julian Beever. Seguro, para realizar obras em 3D, procurou a Subprefeitura da Sé,. "Eu procurava por um local que possibilitasse a implementação da imagem e a interação com o público. Deveria ser uma calçada larga e com grande movimento de pessoas. Decidimos, juntos, que deveria ser a  Praça Patriarca", conta, acrescentando que a arte em 3D nas ruas dá às pessoas não apenas a oportunidade de interagir com a obra, mas também de acompanhar o processo de criação do artista. "Depois do sucesso do trabalho, realizamos outros, mas nenhum tão ousado e abrangente quanto este que começamos agora nas três cidades", afirma.

            Planos incluem pontos turísticos brasileiros, em 3D, em capitais européias

O grafiteiro, muralista e artista plástico acaba de voltar de sua primeira internacional. Esteve em Paris  durante uma semana, onde participou de 10 a 13 de dezembro de uma mostra de arte brasileira contemporânea, no Salon National Des Beaux-Arts (SNBA), no Museu do Louvre. A mostra reuniu, além de Kobra, outros 14 artistas brasileiros. Os artistas foram selecionados pela empresária Bia  Duarte e aprovados pelo SNBA. O evento também homenageou o notável escultor Victor Brecheret (1894 – 1955), com exposição de uma de suas esculturas em bronze. A obra de Kobra foi muito elogiada.

            Durante os dias da exposição e depois do seu término, Eduardo Kobra percorreu vários bairros e museus de Paris para buscar inspiração e informações que possam influenciar o seu trabalho. Kobra, que também é conhecido pelas obras em 3d (a mais famosa foi o carro que fez na Praça Patriarca, em São Paulo), tem pesquisado pontos turísticos em Paris. "A idéia é, depois destes trabalhos em São Paulo, Rio e Brasília,   levar pontos turísticos da Europa para o Brasil e  brasileiros para a Europa. Fazer a Torre Eifel em 3d no Rio de Janeiro e o Pão de Açúcar ou o Cristo Redentor em Paris, o que pode ser ainda mais interessante para os europeus agora que o Brasil foi confirmado como o país sede da Copa do Mundo e o Rio das Olimpíadas", afirma o artista, que começou como pichador de rua e hoje encanta São Paulo e o país com suas criações.

            Kobra é um expoente da neo-vanguarda paulista. Seu talento brota por volta de 1987, no bairro do Campo Limpo com o pixo e o graffiti, caros ao movimento Hip Hop, e se espalha pela cidade. Com os desdobramentos, que a arte urbana ganhou em São Paulo, ele derivou – com o Studio Kobra, criado nos anos 90 - para um muralismo original - inspirado em muitos artistas, especialmente os pintores mexicanos - beneficiando-se das características de artista experimentador, bom desenhista e hábil pintor realista. Suas criações são ricas em detalhes, que mesclam realidade e um certo "transformismo" grafiteiro.

          Kobra é autor do projeto "Muro das Memórias", que busca transformar a paisagem urbana através da arte e resgatar a memória da cidade. Desde 2006 já foram entregues 19 murais, em avenidas e ruas de São Paulo. Em janeiro de 2009, entregou para o aniversário de São Paulo  um mural de 1000 metros quadrados na Av. 23 de Maio, que mostra cenas da década de 20. Fundou em 95, o Studio Kobra, onde comanda uma equipe especializada em pintura de painéis artísticos. 

            Paralelamente, Kobra desenvolve sua produção pessoal, que passa pela pesquisa de materiais reciclados e novas tecnologias, como a pintura em 3D sobre pavimentos (desenvolvida por nomes internacionais, como Julian Beever e Kurt Wenner), além de reciclar, recriar momentos e formatos das histórias da Arte e das cidades.

            Kobra tem sido muito procurado para decorar também para pintar restaurantes, bares e residências.  Recentemente, participou da Casa Cor São Paulo 2009 em dois espaços e da Bienal de Arquitetura de São Paulo. Em outubro de 2008, fez na galeria Michelangelo, em São Paulo, a elogiada exposição "Lei da Cidade que Pinta", onde placas, outdoors, luminosos e outros materiais de comunicação visual retirados pelos fiscais e funcionários da Prefeitura ressurgiram como suporte para as obras de arte. Em julho de 2009 fez, também em São Paulo, na galeria Pró Arte, a exposição "Visitas", sucesso de crítica e público.  Em julho e agosto deste ano realizou algumas intervenções em 3D com o artista plástico Romero Brito, em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em outubro deste ano, realizou grafitou um muro na Av. Rebouças, em São Paulo, ao lado de  Jay Mulder, considerado um dos seis maiores expressionistas norte-americanos vivos.  Em novembro, expôs 25 telas inéditas na Galeria Romero Britto.

copa_pele_sao_paulo.jpg

Pelé na Avenida Paulista




copacabana_final_copia.jpg

Referência à conquista dos Jogos de 2016, no Rio de Janeiro



50anos_brasilia_copia.jpg

Esboço do projeto para Brasília


execucao_do_carro_em_3d_em_junho_na_praca_patriarca_em_sao_paulo.jpg

Durante a produção do carro em 3D no mês de junho, em São Paulo



eduardo_kobra_em_frente_ao_mural_que_produziu_na_av_23_de_maio_media.jpg

Eduardo Kobra em frente ao mural que produziu na av. 23 de maio, em São Paulo

        


 

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

De volta aos palcos paulistanos, Nana Caymmi faz três apresentações nos dias 8, 9 e 10 de janeiro

Uma das mais grandiosas cantoras da música popular brasileira desembarca na capital paulista para três shows no Teatro do SESC Pompeia. Nana apresenta repertório de seu último CD "Nana Caymmi – Sem Poupar Coração", com canções da safra recente de compositores da MPB, embaladas em arranjos sofisticados pela abordagem intensa da cantora. São quatorze músicas, quase todas inéditas, com arranjos dos mestres Dori Caymmi e Cristóvão Bastos e que estarão presentes nestes três shows.
 
A voz sempre foi o instrumento marcante da intérprete, que tem uma forma única e passional de cantar. O CD, é claro, possui as mesmas características. Trata-se do 29º álbum em 49 anos de trajetória, além de ser o primeiro trabalho que não contou com a supervisão de seus maiores mentores, os pais. "É muito difícil fazer um álbum que, pela primeira vez, não tem a opinião deles", diz Nana. "Isso fez muita falta." A ausência também trouxe uma lição: voltar ao seu estilo, sem banhar a interpretação com tristeza. "O disco não é uma homenagem, mas um presente a eles', diz Nana. 'A tristeza faz parte, mas o álbum fica no meio termo." Um meio termo que pode ser melancolia e alegria misturadas na receita sonora.
 
O novo disco representa a volta de Nana a seu elemento: a canção romântica feita sob medida para o seu jeito de interpretar. "Sem poupar coração", a faixa-título, é uma canção abolerada de Dori Caymmi, com letra de Paulo Cesar Pinheiro. "Caju em flor"  (João Donato-Ronaldo Bastos) é uma daquelas todas repletas de referências brasileiras ("Iemanjá', "Belém", "Manacá", ''Oxalá') e com a riqueza melódica e harmônica de João Donato. Além dessas canções, outras assinadas por mestres como Guinga e Chico Buarque estarão presentes no repertório, sem falar no sucesso "Não se esqueça de mim" (Roberto Carlos-Erasmo Carlos).
 

Serviço: SESC POMPEIA APRESENTA NANA CAYMMI
Rua Clélia, 93
Dias 8, 9 e 10 de dezembro. Sexta e sábado, às 21h e domingo, às 18h.
Teatro – Não recomendado para menores de 10 anos.
Ingressos:
R$ 10,00 a R$ 40,00
Lotação: 778 pessoas
Duração: 90 minutos
Telefone para informações: (11) 3871-7700

Acesso para deficientes – não temos estacionamento.
Para informações sobre outras programações ligue 0800-118220 ou acesse o portal www.sescsp.org.br.
 
Funcionamento da bilheteria do SESC Pompeia – de terça a sábado, das 9h às 21h e aos domingos, das 9h às 20h. Aceitam-se cheque, cartões de crédito (Visa, Mastercard, Diners Club International e American Express) e débito (Visa Electron, Mastercard Electronic, Maestro, Redeshop e Cheque Eletrônico). Ingressos podem ser adquiridos em todas as unidades do SESC, incluindo CineSESC.

 
Assessoria de Imprensa – SESC Pompeia -
Roberta Della Noce

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

OS GRAFITEIROS GUSTAVO E OTÁVIO NO RODA VIVA

 
Gustavo e Otávio Pandolfo
Grafiteiros

A dupla de grafiteiros consagrados internacionalmente é representante de uma arte tão imaginativa quanto polêmica, que tem forte interferência na paisagem urbana.

Os gêmeos Gustavo e Otávio mergulharam nessa arte de rua na onda do movimento hip hop que chegou a São Paulo nos anos 80 e com seu trabalho eles colocaram o país no topo da arte urbana contemporânea.

Ainda na infância, em São Paulo, os dois irmãos já demonstravam habilidade com os desenhos, que, aos poucos, saíram do papel e foram parar em muros, viadutos, ônibus, trens, e, finalmente, em galerias de arte e museus no Brasil e no exterior.

Participam como convidados entrevistadores:
Laura Greenhalgh, editora executiva do jornal O Estado de S. Paulo e coordenadora dos cadernos Aliás, Cultura e Caderno 2; Paula Alzugaray, editora da seção artes visuais da revista Isto É; Cunha Jr., repórter especial e crítico de cinema do programa Metrópolis da TV Cultura e Felipe Chaimovich, curador do Museu de Arte Moderna - MAM - e professor de história da arte e crítica de arte da FAAP.
Twitters no estúdio: Mona Dorf, apresentadora do programa Letras e Leituras, da rádio Eldorado. (twitter.com/monadorf); Nando Rodrigues, jornalista (twitter.com/nrodrigues) e Fabiana Motroni, publicitária (twitter.com/fabianamotroni).
Fotógrafo convidado: Rafael Alves de Oliveira, analista programador (www.flickr.com/photos/rafaeltintin).

Apresentação: Heródoto Barbeiro

O Roda Viva é apresentado às segundas a partir das 22h00.
Você pode assistir on-line acessando o site no horário do programa.
http://www2.tvcultura.com.br/rodaviva
 


Agora a pressa é amiga da perfeição. Chegou Windows 7. Conheça.

sábado, 12 de dezembro de 2009


A escritora e professora de Língua Portuguesa Maria Isabel Soares Oliveira espera os convidados e amigos para prestigiar  o lançamento dos seus mais novos livros: “O nascimento de um filho literário” e “São Luís e outros poemas: a beleza através das palavras” que acontecerá  Auditório do Cento de Formação do Educador I (Esquina da Praça Gonçalves Dias / São Luís-MA)

Horário: 18h e 30h                Data:  18 de dezembro de 2009
 

 

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

Exposição de Modernistas fica na Capela de São Miguel Arcanjo até 20/12












Até 20/12 a Capela de São Miguel Arcanjo, a mais antiga da cidade e um dos mais importantes patrimônios de São Paulo, recebe a exposição Modernistas Revisitam a Capela, realizada pela Curadoria do Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo, em parceria com a Associação Cultural Beato José de Anchieta e a Subprefeitura de São Miguel Paulista. A abertura oficial da mostra ocorreu no dia 7 de novembro, quando a Capela foi reaberta ao público, depois de um período de restauro.





Primeira exposição em 40 anos


Com a curadoria de Ana Cristina Carvalho, as obras do Acervo dos Palácios expostas na nave central da capela mostram um percurso que contextualiza a busca das raízes brasileiras pelos modernistas no início do século XX, por meio de suas viagens às regiões Norte e Nordeste, e às cidades históricas mineiras. Em São Miguel Paulista, na zona leste de São Paulo, a Capela de São Miguel Arcanjo está localizada em um bairro marcado pela presença dos nordestinos, muitos vindos das mesmas regiões visitadas pelos modernistas, invertendo o trajeto de Mário de Andrade para descobrir São Paulo.


Expostas em três núcleos de idéias, a mostra pretende também promover a aproximação dessas comunidades com o Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo, que, pela primeira vez em 40 anos, expõe suas obras fora de seus espaços tradicionais.



                             


Exposição - detalhes



Núcleo1
Viagem pelas raízes do Brasil apresenta obras pertencentes à coleção dos palácios e fotografias de acervo particular. Parte conceitualmente das viagens do intelectual modernista Mario de Andrade, que recolhe elementos da cultura brasileira. A busca da identidade e das raízes do Brasil propostas pelos modernistas nas décadas de 1920 e 1930 são evidenciadas neste núcleo por meio de pinturas como Natureza Morta, de Vicente do Rego Monteiro; o Carcará, de Aldemir Martins; Rio de Janeiro, de Cícero Dias; Paisagem de Ouro Preto, de Guignard; esculturas do artista baiano Agnaldo Manoel dos Santos e o ensaio fotográfico sobre a vida do nordestino, do pernambucano Cláudio Omena.



Núcleo 2


Devoção revela a religiosidade popular por meio de obras de artistas como Tarsila do Amaral, que mostra em sua obra São Paulo Antigo uma procissão; destaque também para Santa Cecília, de Djanira Motta e Silva; e a Nossa Senhora Aparecida, de Tereza D'Amico.  

Núcleo 3


A Capela e a Cidade procura estabelecer relações com as obras e o contexto da cidade de São Paulo que cresce e acolhe os milhões de migrantes, vindos principalmente das regiões norte e nordeste. Apresenta obras associadas à origem da cidade e seu desenvolvimento. É o caso Bandeirante, de Portinarti; Capela de Santo Antônio, de Nicola Petti; Progresso, de Vitório Gobbis; e Rua Direita, de Júlio Guerra.


Serviço:


Capela São Miguel Arcanjo – Modernistas Revisitam a Capela, de 8 de novembro a 20 de dezembro, de quinta a domingo, das 10h às 17h. Ingresso R$ 2,00, as quintas e sextas, grátis aos sábados domingos. Estudantes com carteirinha paga meia. Crianças até 7 anos, estudantes da rede pública, idosos, portadores de deficiência e grupos filantrópicos não pagam. Aberto ao público. Praça Padre Aleixo Monteiro Mafra, 11, São Miguel Paulista. Informações e agendamento de grupos pelo telefone 2032-4160.



O Restauro


A capela de São Miguel, que está sendo reaberta após um período de três anos de obras de restauração, foi construída no ano de 1622, segundo inscrições encontradas na verga da porta principal. Considerado o templo católico mais antigo da capital paulistana, a capela integra um conjunto de monumentos coloniais e é um dos primeiros edifícios a ser tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), em 1938.


O gerenciamento do projeto de restauro e de implantação do museu é da FormArte. A entrega da primeira fase do trabalho, que envolveu o parque arquitetônico, parede, piso e telhado, com investimento de mais de 3 milhões de reais, foi realizada em junho de 2008. Depois disso a capela foi aberta apenas para visitas monitoradas. A continuidade das obras de restauro depende de novos recursos, mas o espaço já pode ser visto pelo público, que pode agora desfrutar desse monumento histórico sem restrições.