terça-feira, 31 de janeiro de 2012

EXPOSIÇÃO PROMOVE REFLEXÃO SOBRE O PAPEL DA MULHER NA SOCIEDADE


Entre os dias 30 de janeiro e 17 de fevereiro, a sede da Prefeitura de São Paulo (Viaduto do Chá, 15, Centro) receberá a exposição fotográfica Mulher Angolana – Ao Encontro do Desenvolvimento Sustentável?, que conta com o apoio da Coordenadoria da Mulher, da Secretaria de Participação e Parceria (SMPP). O evento, desenvolvido pelo The Planet Earth Institute (PEI), em parceria com a World Press Photos (WPP), é promovido pelo Banco Espírito Santo Angola, que a partir de um workshop realizado em 2010 selecionou oito fotógrafos locais para participar dessa exposição itinerante e de um livro. A exposição reúne 34 cubos de fotos de mulheres angolanas das mais diversas classes sociais, entre ministras, professoras, donas de casa, médicas e professoras, mulheres angolanas que têm algo a contribuir para o desenvolvimento sustentável do seu país. O intuito da exposição é promover a reflexão sobre o papel da mulher em campos de chefia e direção, seja no nível empresarial ou em cargos governamentais, seja na sociedade como um todo, além de defender a igualdade de gênero. A exposição pode ser visitada de segunda a sexta-feira, das 8h às 19h. A entrada é franca.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

A COMÉDIA L’ILLUSTRE MOLIÈRE ABRE A TEMPORADA 2012 NO TEATRO DO SESI-SP


Montagem retrata momentos marcantes da vida e obra do 
 dramaturgo francês. Peça ficará em cartaz de 2 a 26 de fevereiro, de quarta a domingo. A entrada é franca.


São Paulo, 30/01/12 – A partir de 2 de fevereiro, o SESI-SP apresenta a montagem L’Illustre Molière, da Companhia D’Alma. Em cartaz até o dia 26, a peça terá sessões gratuitas de quarta-feira a sábado, às 20h30, e aos domingos, às 20h.
Ambientado no séc. XVII, o espetáculo retrata momentos marcantes da vida e obra do famoso dramaturgo francês Molière. Cada cena tenta recriar a efervescência da criatividade do autor, a trajetória artística de sua companhia teatral e as particularidades de sua época.
Para potencializar a ambientação da época, o público é conduzido a um cenário que recria o Teatro Ilustre, onde o artista e sua companhia trabalharam.
Grande crítico de sua época, Molière utilizava-se da comicidade de seus textos para criticar a sociedade francesa e abordar temas como a hipocrisia, o desejo de ascensão social a qualquer preço e a avareza. O grupo selecionou cenas das principais obras do artista para mostrar que, mesmo após quatro séculos, seus textos continuam atuais. 

Sobre a Companhia D’Alma

        A Companhia d’Alma é composta por atores que buscam aprofundar a sua pesquisa teatral, principalmente na investigação das origens do teatro cômico, começando com as comédias gregas, a commedia dell’arte, comédie française e a comédia de costumes. Este interesse veio se somar à proposta da produtora Corveloni De Simone Produções, de desenvolver um projeto calcado na linguagem cômica.
        Desde 2009, o grupo e a diretora teatral Sandra Corveloni pesquisam sobre o escritor francês Molière (1622-1673), que é considerado o dramaturgo que elevou a comédia ao status de critica social.

Ficha técnica
Direção: Sandra Corveloni
Assistente de direção: Luiz Luccas
Direção musical: Fernanda Maia
Preparação corporal: Inês Aranha e Alexandra da Mata
Coordenação de cenografia e figurino: Zé Henrique de Paula
Assistente: Cy Teixeira
Elenco: Guilherme Sant’anna, Paulo Marcos, Angela Fernandes, Caio Salay, Amanda Acosta, Lara Hassum e Mateus Monteiro
Produção: Corveloni De Simone Produções Artísticas Ltda.
Diretor de produção: Maurizio De Simone
Iluminador: Nelson Ferreira
Fotógrafo: Ronaldo Gutierrez
Maquiagem e adereços: Fabio Petri
Arte Gráfica: Thiago Costa

Serviço:
Espetáculo: L’Illustre Molière

Temporada: de 2 a 26 de fevereiro – de quarta-feira a sábado, às 20h30, e domingo, às 20h. 
Local: Teatro do SESI – São Paulo – Avenida Paulista, 1.313, Metrô Trianon-Masp.
Ingressos: entrada franca. A distribuição dos ingressos tem início a partir da abertura da bilheteria no mesmo dia do evento. 
Horário de funcionamento da bilheteria: de quarta a sábado, das 12h às 20h30; domingo, das 11h às 19h30. São distribuídos dois ingressos por pessoa. 
Classificação: Não recomendado para menores de 12 anos.
Capacidade: 460 lugares, sendo quatro para cadeirantes. O teatro possui acessibilidade com rampa de acesso, banheiros e elevadores.
Duração: 90 minutos
Gênero: Comédia
Informações: (11) 3146-7405 / 7406 ou (11) 4003-5588 

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Lenine vai para o centro do Roda Viva

Na pauta, discussões sobre o futuro da MPB, o mercado fonográfico e seu novo álbum São Paulo, 20 de fevereiro de 2012 – Pernambucano de nascimento, carioca de batismo e globalizado por vocação, Lenine é o convidado do Roda Viva desta segunda (23/1). No ar às 22h, ao vivo, na TV Cultura. Na entrevista, ele deve falar sobre o intimista Chão, seu mais recente disco, dar sua visão sobre o mercado fonográfico e debater os novos caminhos da música popular brasileira. Além do apresentador Mario Sergio Conti, a bancada desta edição traz Renato Terra (repórter da revista Piauí), Patrícia Palumbo (jornalista e apresentadora do programa Vozes do Brasil, da Rádio Eldorado), João Gabriel de Lima (redator-chefe da Época), Bruna Veloso (editora da Rolling Stone) e Lula Queiroga (cantor e compositor). O Roda Viva também conta com a participação do cartunista Paulo Caruso.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

CAIXA CULTURAL SP APRESENTA O MONÓLOGO 'A CONSTRUÇÃO'


 

Caco Ciocler atua na peça adaptada do conto homônimo de Kafka, com direção de Roberto Alvim

 

Após o sucesso de 45 Minutos com temporadas no Rio de Janeiro e São Paulo em 2011, o ator Caco Ciocler e o diretor Roberto Alvim repetem a parceria em mais um monólogo. A Construção, de Franz Kafka (1883-1924), é uma adaptação do conto homônimo publicado em 1923.  Serão 8 apresentações na CAIXA Cultural São Paulo (Sé),  de 26 de janeiro a 5 de fevereiro de 2012, sempre de quinta-feira a domingo. O evento é patrocinado pela Caixa Econômica Federal e a entrada é gratuita.

 

No conto A Construção, uma criatura constrói uma toca subterrânea para se proteger dos perigos do mundo externo. Caco Ciocler é Franz Kafka escrevendo em seu quarto, madrugada adentro, tomando cuidado para não acordar o pai que dorme no quarto ao lado. A peça retrata o exato momento do processo de criação dessa trama de 1923.

 

Durante a encenação, a vida do protagonista da peça e o conto se entrelaçam. "Existe um jogo enigmático de hibridações entre Kafka e a criatura, o quarto e a toca, o pai e o imenso animal que tenta invadir a construção. Além disso, a própria personalidade do escritor se fragmenta, revelando-nos (poeticamente) a complexidade deste que é um dos maiores e mais singulares artistas de toda a história da literatura", explica Roberto Alvim.

 

A obra é um dos últimos trabalhos de Kafka, quando o autor já sofria de tuberculose, o que aproxima a relação com a morte. O resultado é uma metáfora sobre o modo como nos fechamos um para o outro para evitar uma ameaça à nossa segurança psíquica, física e emocional. Essa característica evidencia o caráter universalista da montagem.

 

Será oferecido ao público um encontro, no dia 27/01/2012, às 17h, com o diretor Roberto Alvim que debaterá sobre a vida e a obra de Franz Kafka e suas relações com as questões da contemporaneidade, assim como os riscos e desafios de encenar sua obra. Sob o tema: KAFKA, O TEATRO E A CONTEMPORANEIDADE, as inscrições para esse debate serão feitas por ordem de chegada.

 

Ficha Técnica:

Texto: Franz Kafka

Direção, Tradução, Adaptação e Iluminação: Roberto Alvim

Elenco: Caco Ciocler

Cenografia e Figurinos: Marina Previato

Direção de Produção/Administração: Maria Betania Oliveira

Produção Executiva: Danielle Cabral

Trilha sonora original: Felipe Ribeiro

Assistente de Direção: Ricardo Grasson

Assistente de Produção: Francielli Ferraretto

Fotografias: Bob Sousa

 

SERVIÇO:

Espetáculo: A Construção

Datas: de 26 de janeiro a 5 de fevereiro de 2012

Horário: de quinta-feira a domingo, às 19h30

Local: CAIXA Cultural São Paulo - Praça da Sé, 111 - Centro

Entrada: franca (os ingressos poderão ser retirados na bilheteria com uma hora de antecedência)

Capacidade: 80 lugares

Duração: 50 minutos

Classificação etária: 16 anos

Informações - Tel: (11) 3321-4400

Acesso para pessoas com necessidades especiais

Patrocínio: Caixa Econômica Federal

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Exposição Universo Feminino

NELLY GUTMACHER ABRE A EXPOSIÇÃO "UNIVERSO FEMININO" NO CENTRO CULTURAL CORREIOS

Artista plástica convida as alunas Ana Sarabanda e Marilene Tapias para uma mostra coletiva

 

 

De 19 de janeiro a 19 de março, o público de artes plásticas terá a chance de conferir a exposição coletiva Universo Feminino, no Centro Cultural Correios, Rio, que vai mostrar a visão de três mulheres sobre a condição feminina brasileira. O ponto de partida das artistas Nelly Gutmacher, Ana Sarabanda e Marilene Tapias é construir/desconstruir e, nesta polaridade, encontrar soluções estéticas de formas diversas. No processo, a identidade de cada uma se revela, mostrando a força de sua expressão.

 

Ao todo, serão expostas 20 obras. E cada artista tem uma técnica diferente. Nelly trabalha com fotomontagem digitalizada em tela, sendo que todas têm os mesmos padrões. Ela mistura panos, papeis, fotografa, recorta, remonta e digitaliza. O resultado são formas híbridas, minerais, vegetais, animais que emergem das camadas da sua mitologia. Marilene usa técnica mista nas mandalas – colagens, tinta acrílica, casca de ovo, lápis, cola e pigmentos. "Busco ir fundo dentro de mim", diz. A artista procura o básico, o estritamente necessário, o essencial. Já as telas são pintadas com pigmentos naturais. E Ana usa uma chapa de cobre gravada em água forte, no processo de monotipia, faz marcas como tatuagens em tecidos antigos de linho das matriarcas de sua família. Em gestos repetidos e obsessivos, usa tinta, lava, costura e, ao final, borda. O resultado obtido são relevos que a remetem ao passado.

 

Além da arte, todas têm em comum o desejo de ir além do que é esperado para três mulheres acima de 60. "Gosto do termo 'ageless', ouvi em um programa de televisão e adotei. Todas nós temos uma boa história de vida. Eu respiro arte há algumas décadas e as meninas resolveram seguir os meus passos", diz Nelly Gutmacher. A artista, que tem 40 anos dedicados à arte ou, como costuma dizer à "grande jornada da vida", já lecionou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV) e convidou suas duas alunas para mostrar o que se passa no coração e mente de uma mulher. Marilene Tapias conheceu a professora por indicação de uma amiga e passou a ter aulas com ela em 2007. E Ana Sarabanda foi sua aluna na EAV nos anos 80 e, em 2010, voltou a trabalhar particularmente com Nelly, onde desenvolveu este projeto atual.

 

"Escolhi Ana e Marilene porque no momento em que o mundo está tão atomizado, com as pessoas vivendo em seu universo particular, acho importante abrir espaço para pessoas que estão produzindo plasticamente e precisam de um canal para mostrar seu trabalho. Dou aula há quase quatro décadas e sinto prazer em descobrir talentos e incentivá-los", declara Nelly Gutmacher.

 

Nelly Gutmacher estudou com Ivan Serpa em 1968. Já tinha dois filhos na escola e a vida estava vazia. Seu processo foi tão forte que, três anos depois ganhou nove prêmios em todos os salões do Brasil e foi considerada "artista revelação". Ana Sarabanda desde pequena já utilizava tintas e pincéis como se fossem brinquedos, fez licenciatura em Artes Plásticas no Instituto Bennett de Ensino e, mais tarde, frequentou a EAV por vários anos. Marilene Tapias, jornalista aposentada, se dedica exclusivamente à arte há cinco anos. Elas se inspiram em Chagall, Duchamps, Bispo do Rosário, Matisse, Cícero Dias, Klimt, Cèzanne, Cristina Canale, Louise Bourgeois e Eliane Duarte. E todas querem continuar descobrindo novos suportes e formas de expressão.

 

SERVIÇO

UNIVERSO FEMININO – Por Nelly Gutmacher, Ana Sarabanda e Marilene Tapias

Local: Centro Cultural Correios: Rua Visconde de Itaboraí, 20 – Centro Período: de 19 de janeiro a 19 de março de 2012

Horário de visitação: de terça-feira a domingo, das 12 às 19h

Vernissage no dia 18 de janeiro, às 19h.

Entrada franca